Analzira de Nascimento

Simplesmente Inspirar – Analzira de Nascimento

Analzira de Nascimento

“Sua missão é sua razão de existir”. Analzira de Nascimento

Determinação, proatividade e uma fé inexplicável, são características que podem ser relacionadas a Analzira.[1] Sua alegria e paixão por missões impactam seus ouvintes de tal forma que é uma das missionárias atuais mais conhecidas e queridas pelos jovens batistas. Dentre suas frases de impacto, que ela mesma chama de reza (pois quer que as pessoas repitam e gravem) destaco: “Deus, não me deixe de fora do que o Senhor está fazendo no mundo”.

Sua vida inspiradora e marcas atuais foram construídas através de passos de fé e obediência. Ela, que teve uma infância difícil, sofreu as consequências da destruição de sua família, ao ver seu pai abandonando sua mãe e seus três irmãos; na adolescência, por diversas vezes, tentou tirar sua própria vida. Mas para a reviravolta desta comovente história, Analzira foi a primeira da família a conhecer Jesus e teve sua vida transformada. Logo teve convicção de seu chamado, cursou teologia e depois fez dois cursos de enfermagem. Ela não fazia ideia de quanto Deus usaria sua segunda formação nos próximos anos.Leia mais…

Amy Carmichael

Simplesmente Inspirar – Amy Carmichael

“Se alguém constrói sobre esse alicerce, usando ouro, prata, pedras preciosas, madeira,
feno ou palha, sua obra será mostrada, porque o Dia a trará à luz; pois será revelada pelo
fogo, que provará a qualidade da obra de cada um.”

(1 Coríntios 3:12,13)

Esse versículo Amy Carmichael ouviu sussurrado em seu ouvido, ainda menina, enquanto ajudava uma velha senhora, mendiga, a chegar em sua casa, sob os olhares curiosos de quem tinha mais posses. Amy sempre soubera que Deus a amava, mas ela começou a se perguntar como o fato de saber que Ele a amava mudava a maneira como ela agia todos os dias.

Essa situação foi o gatilho para a decisão que tomou a seguir: não perderia mais tempo com coisas que não fossem importantes aos olhos de Deus. Quando todas as coisas que ela havia feito em sua vida fossem julgadas por Deus, no último dia, ela queria que fossem consideradas valiosas. Amy nasceu em 1867 no Reino Unido e recebeu o chamado para ser missionária. Ela não sabia exatamente onde deveria servir; foi quando chegou na Índia que entendeu que lá seria o seu lugar. Por 55 anos atuou neste país, até Deus a levar, em 1951. Mesmo sem nunca ter se casado, embora na juventude tivesse sentido essa necessidade, Amy jamais se sentiu sozinha, pois Deus falou claramente que “ninguém que confia em Mim ficará solitário”.

Mulheres e crianças foram o ministério de Amy. Inicialmente reuniu mulheres cristãs com o propósito de levar a palavra de Deus para aldeias isoladas no sul da Índia. Ela havia observado que se estivesse vestida como uma indiana nativa, e não como britânica, as portas se abriam mais facilmente para que falasse do evangelho. Estas mulheres que viajavam juntas às aldeias, então decidiram abrir mão de sua vaidade, da imagem das castas da qual pertenciam, e passaram a vestir sáris de algodão, sem joias ou adornos. Para nossa cultura isso parece muito simples, entretanto, para uma cultura onde joias e cores são sinal de pertencimento a castas mais altas, estas mulheres foram pioneiras nesta nova forma de apresentar o cristianismo às pessoas: uma contracultura.

Ao longo do tempo estas mulheres, denominadas Grupo Estrelado, começaram a receber crianças, que milagrosamente chegavam até elas. Meninas órfãs, meninas abandonadas por suas famílias, outras deixadas nos templos hindus para servirem aos “deuses” como prostitutas. Enquanto estavam em um grupo pequeno as crianças viajavam junto, porém cada vez mais crianças chegavam até elas e por isso Amy tomou a decisão de parar de viajar e estabelecer um lar para todas. Ela sempre dependeu de Deus para todas as coisas e Ele sempre supriu todas as necessidades, sem que Amy precisasse pedir nada a ninguém, apenas confiando no Senhor. Uma mulher de muita fé. Construiu um orfanato, posteriormente um hospital e mais tarde um lar para meninos. Centenas de crianças foram resgatadas, recebendo apoio de um lar e conhecendo Jesus.

Amma (apelido carinhoso dado pelos seus “filhos”) deixou um enorme legado para o Reino: cumpriu seu chamado missionário na dependência exclusiva de Deus. Com muita fé e sabedoria conduziu tantos à Cristo. Sempre muito ativa, nos últimos anos de vida esteve acamada, contudo produtiva: escrevendo livros, poemas e músicas. Nunca teve pena de si mesma, pois sabia que Deus a estava usando e cuidando. Sempre foi muito dependente do Senhor: não fazia nada sem que tivesse a certeza que era Ele que estava orientando. Em todas as ações, pedia a orientação de Deus.

Amy trabalhou sua vida toda pelo Reino; não gostava de ser fotografada porque a honra não era dela. Queria ser lembrada como alguém a quem Deus amava e por meio de quem agiu em muitas vidas. E você, como quer ser lembrada? Qual tem sido o seu legado? Saibamos, como mulheres dependentes de Deus, viver em favor do Reino e para a Glória dEle. Que possamos trabalhar para deixar um legado de vidas dedicadas ao Senhor, porque afinal, isso é o que realmente importa.¹

Joice Waier

¹ As informações deste texto foram retiradas do livro: Amy Carmichael: Resgatadora de Jóias Preciosas /
Janet & George Benge. Shedd Publicações, 2018.

Ouça também o podcast sobre Amy, do Projeto Inspirar:

O amor de muitos esfriará

O amor de muitos esfriará

Já ouvi diversas pessoas comparando a Bíblia a um jornal, abordando temas bem atuais. Inclusive, um jornal muito desenvolvido, pois fala de coisas que ainda estão por acontecer… o jornal do amanhã. Como exemplo desta ilustração podemos lembrar de vários momentos em que Jesus descreveu aos seus discípulos muitas situações que ainda iriam acontecer, e é sobre uma delas que eu convido você a refletir comigo.

No capítulo 24 do livro de Mateus, Jesus estava sentado com seus discípulos quando eles lhes perguntaram o que haveria de acontecer para mostrar que estava no tempo do Senhor Jesus retornar. Jesus então cita os falsos messias, as guerras e rumores de guerras, perseguições, abandono de fé, falsos mestres… até que no versículo 12 Ele anuncia: “Devido ao aumento da maldade, o amor de muitos esfriará”. Esse versículo tem feito parte das minhas reflexões a um bom tempo. Os outros pontos talvez sejam mais fáceis de serem percebidos e interpretados (as guerras, os falsos mestres distorcendo a imagem de Cristo, o aumento das perseguições…). Mas quero dar um ênfase ao versículo 12 e refletir com vocês sobre esse amor que esfria. Sobre o aumento do abandono da fé mascarado de uma fé sem raízes na palavra… pera que eu explico melhor!

Eu percebo que muitas pessoas tem se levantado e declarado sua fé em Cristo. Pessoas com visibilidade: artistas, famosos, jogadores, influencers, enfim. Porém, sabemos que a fé sem obras é morta (“De que adianta, meus irmãos, alguém dizer que tem fé, se não tem obras? Acaso a fé pode salvá-lo? […] Assim também a fé, por si só, se não for acompanhada de obras, está morta.” Tiago 2:14 e 17), e a fé em Cristo traz mudança de vida (“Não se amoldem ao padrão deste mundo, mas transformem-se pela renovação da sua mente.” Romanos 12:2). Apesar desse aumento de “cristãos”, notamos que a cada dia o evangelho de Jesus está se esvaindo, e coisas que antes não eram comuns no meio cristão, estão virando rotineiras.

Nós nos denominamos cristãos mas temos vivido como se não fôssemos durante a maior parte do dia. Isto porque o “cristianismo” que seguimos têm nos liberado das mais diversas formas, tanto que não sabemos mais lidar com tamanha liberdade e temos confundido com libertinagem. Acrescentamos e/ou retiramos pontos do Evangelho de acordo com a necessidade do momento, de acordo com a satisfação pessoal…

Ao perceber estes pontos, o versículo de Mateus 24.12 me vem à mente porque a Bíblia é clara e direta em cada palavra. Quando Jesus menciona que o amor de MUITOS esfriará,Ele quer dizer MUITOS mesmo. Não é figura de linguagem, hipérbole ou algo parecido. É isso mesmo que está escrito.

A pergunta que eu faço é: será que eu faço parte desse “muitos?” que Jesus citou?

Porque em diversas situações, como pecadora que sou, eu tenho caminhado por lugares que, outrora, não consideraria passar perto. E, talvez, mesmo sem perceber, estou ajudando a relativizar o Evangelho que sempre defendi ser seguido ao pé da letra. É no dia a dia, nos hábitos, nos detalhes que demonstramos nosso amor e nossa fé em Cristo. E é no dia a dia, nas coisas mais banais, que temos demonstrado uma dificuldade muito grande em sermos fiéis àquele que entregou Sua vida por nós.

A minha oração é que nós, juntas, venhamos a nos fortalecer no versículo seguinte, Mateus 24:13, quando Jesus continua: “mas quem ficar firme até o fim será salvo”. Que possamos juntas retornar ao primeiro amor, ao evangelho que salva, à Cruz de Cristo, sem retirar nem acrescentar nada a esse plano perfeito que é a Salvação através da morte de Jesus.

Que quando estas palavras do nosso verdadeiro e único Messias se cumprirem, possamos ficar aliviadas por não termos feito parte da grande multidão que está deixando o amor se esfriar. Espero que eu e você façamos parte do time que dirá: “Combati o bom combate, terminei a corrida, guardei a fé.” (2 Timóteo 4:7).

Caroline Sebem

 

Wedding planner

Wedding Planner

Uma verdade muito bem conhecida por todos é que casamento envolve e exige muito planejamento. Graças a Deus, recentemente, surgiu o famoso Wedding Planner, aquele caderno que ajuda noivos e noivas com ideias e cronogramas do que deve ser feito a cada mês/semana que antecede o grande dia.

Leia mais…

Palavra

Enraizadas na Palavra

Oi gurias! Tudo certo com vocês?! Espero que estejam ok!

Hoje eu quero falar sobre algo que vocês, provavelmente, já estão exaustas de ouvir: a importância do estudo da Bíblia! Não é um tema nada novo, mas ao analisar nosso cenário atual acredito que se faz importante darmos uma atenção especial pra esse assunto…Leia mais…