Acolher

O importante é saber acolher

Acolher – é importante que você saiba.

Meu propósito nesta série é refletir sobre o tema do Congresso FéMenina: Inteira. Espero te ver lá!

Na sua caminhada com o PAI você está por inteiro ou pela metade? Será que é possível amar e ser amada só pela metade?

Lembra do milagre dos cinco pães e dois peixinhos, em Jo 6:9? Você deve conhecer a história do rapaz que se dispôs a dividir seu lanche com uma multidão. Aquele era o tipo de pessoa que se entrega por inteiro. Não esconde nada de Jesus e se apresenta para ajudar quando encontra uma dificuldade, ou melhor, uma oportunidade de ver o milagre da transformação

Pois bem, tudo muito nobre e bíblico, mas naquele tempo não havia internet. Hoje a vida é corrida… Temos que estudar e, para algumas, trabalhar também; nos cuidarmos, namorar, e dar conta de tantas outras coisas. Que tantas coisas são essas? Ora, dedicar tempo ao smartphone, por exemplo. 

Parece que falta tempo, mas o que falta na verdade é ter o foco em Jesus. Ele amava e continua amando dar atenção para as pessoas. A mim, a você e às pessoas perto de nós. Se estivermos focadas, haverá espaço para ter tempo de qualidade na presença do nosso Senhor, em oração, na leitura da Palavra e ainda estender a mão ao nosso próximo. “Nisso todos saberão que vocês são os meus discípulos se vocês amarem uns aos outros.” (Jo 13:35)

Deixe-me tornar isso mais claro. Conheço um ministério na Primeira Igreja Batista de Curitiba, que se chama Ministério Eficiente, sob a liderança do Pr Adoniram Melo. E tenho o privilégio de ser amiga pessoal da Luciane Krauser, que participa do ministério. Ela é cadeirante, uma FéMenina muito Eficiente. A entrevistei para escrever este artigo. E daqui para a frente o discurso estará com ela:

Eu vivia isolada na igreja. Me sentia excluída. Na faculdade passei por uma crise depressiva, mas me firmei na fé. Fui para a PIB Curitiba por causa do culto em inglês. Minha família sempre procurou oferecer o melhor para mim, em educação e saúde. Além de me apoiar a frequentar a igreja. Hoje minha mãe frequenta a mesma igreja, tendo sido batizada. Sou Bacharel em Letras Inglês, pela UFPR, e em Teologia, pela FABAPAR. Profissionalmente atuo como tradutora de livros e, às vezes, de forma voluntária. Traduzi para Editora Pão Diário; e livros como “Aos olhos do Pai”, da Regina Franklin, pela editora RBC. Estou envolvida com os projetos da igreja em parceria com a Samaritan’s Feet e a Joni and Friends. Já participei do ministério de adolescentes, de oração, entre outros. 

Minha deficiência é congênita. E, na minha opinião, o maior desafio do deficiente físico são as barreiras arquitetônicas, informações para a sociedade e as barreiras atitudinais. As pessoas nos encontram e não sabem o que fazer. O importante é saber acolher. Atitudes simples fazem a diferença. As pessoas podem oferecer ajuda e perguntar se a pessoa com deficiência precisa de ajuda. 

Na hora de conversar com um deficiente físico, o ideal é sentar-se para ficar no mesmo nível da pessoa. Saber que a cadeira faz parte do espaço da pessoa. Não se apoiar na cadeira de rodas ou pendurar coisas se não for uma amiga muito próxima. Hoje sinto que meu papel é despertar o interesse das pessoas para ver os deficientes, melhorar as barreiras arquitetônicas, a conscientização e as barreiras atitudinais. Batalhar para conquistar espaço para os deficientes e participar mais ativamente das atividades da igreja. Que possam reconhecer o nosso potencial ao invés de ficarem notando apenas nossas incapacidades aparentes

Se você tem o desejo de servir neste ministério foi Deus quem colocou esse amor no seu coração. O Senhor irá te guiar e colocar pessoas no teu caminho para te ajudar, nessa jornada de descobrir como os seus dons podem fazer diferença no apoio aos deficientes. Coisas simples que você pode fazer por alguém: empurrar uma cadeira de rodas ou dizer um “oi”, e abraçar essa pessoa. 

Em 2013 fomos como equipe do ministério conhecer a organização e uma igreja que fazia parte dos contatos da Joni and Friends. Nos EUA há muito mais apoio para as pessoas com deficiência física do que no Brasil. Há dois anos que a PIB Curitiba, através do Ministério Eficiente, distribui cadeiras de rodas para pessoas carentes, que não teriam condições de comprar uma. A cadeira é feita sob medida e de acordo com as necessidades da pessoa. Essa ação é também um meio de evangelizar.” 

Você pode começar ajudando, com o seu idioma, a fazer uma parceria e de repente você participará de algo tão maravilhoso quanto ver centenas de pessoas carentes recebendo uma cadeira de rodas. Sabe por onde começar? Orando e se apresentando por inteiro diante do teu Senhor.

Fabiana Silvestrini

Entrevista com a Luciane Krauser durante o evento II Simpósio Invisibilidades (dos deficientes na sociedade e na igreja), promovido pela Convenção Batista Paranaense, em parceria com a FABAPAR, em Curitiba, PR, em agosto de 2019.

Leia esse Post Também: No que você é diferente? 

Posted in Congresso FéMenina.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *