FéMenina

Meus pais se divorciaram, e agora?

Meus Pais divorciados, e agora?

O divórcio dos pais abala não apenas uma estrutura familiar, mas o emocional de todos envolvidos daquele grupo familiar. Os sentimentos assemelham-se aos de luto, pois termina uma configuração e organização familiar para dar início a outra, passam por fases muito semelhantes (negação, raiva, negociação, depressão e aceitação) a qualquer outro tipo de perda.

Esse é um momento difícil para todos os envolvidos, mas normalmente os olhares estão direcionados para as partes em conflito ou se voltam para a crianças pequenas, esquecendo-se assim dos adolescentes e jovens da família. Por isso, preparamos algumas dicas para auxiliar vocês jovens e adolescentes a enfrentarem essa situação.

  • A culpa não é sua:

Pode parecer clichê, mas não é: a culpa não é sua. Muitos adolescentes e jovens carregam dentro deles a culpa do fim do relacionamento de seus pais. Em alguns casos os pais são os responsáveis por proferirem e alimentarem esses sentimentos, direcionando aos filhos a culpa da falta de tempo para o casal, os problemas financeiros, etc. Independente de suas atitudes como filha, seus pais são pessoas adultas e cada um deles são responsáveis e irão prestar conta pelos seus atos, dessa forma é impossível você carregar o peso da culpa por um divórcio dos pais.

  • Você não precisa escolher um lado:

Se você morava junto com seus pais inevitavelmente terá que morar com um deles após o divórcio, porém isso não quer dizer que você está escolhendo um partido ou levantando uma bandeira. Tenha cuidado com isso, você não precisa escolher um lado! É inevitável que você possa ter um vínculo maior com sua mãe, por exemplo, mas não deixe que isso venha atrapalhar o seu relacionamento com o seu pai. Você provavelmente irá visitar ou precisará passar alguns dias da semana em outra casa ou ambiente, aproveite essa oportunidade para criar um relacionamento com aquele do qual você não é tão próximo assim.

Evite também participar de conversas que degradem a imagem do seu pai ou da sua mãe, por mais chateada que você possa estar neste momento, não alimente esses sentimentos dentro de você com palavras jogadas ao vento ou para pessoas que estão apenas preocupadas em apontar erros, mas não a ajudá-la. Assim que a poeira baixar você poderá sentir-se mal por palavras ditas em momentos de ira.

  • Não tente assumir o controle da situação:

Após o divórcio, a família vive um momento de reorganização de papéis e de funções, em alguns casos mudanças financeiras, situações que exigem a cooperação de todos para que encontrem uma nova forma de fazer as coisas funcionarem. Muitas vezes isso leva um tempo, pois pais e filhos podem estar abalados emocionalmente pelos últimos acontecimentos. E no meio de tudo isso, é muito comum a adolescente ou jovem assumir o papel de mulher e mãe daquela casa, seja por conta dos afazeres domésticos, seja cuidando de um irmão (irmã) mais novo (a) ou até mesmo assumindo a responsabilidade financeira da casa. Você pode e deve contribuir com aquilo que tem com a sua família, porém você não deve tentar assumir o controle da situação, incorporando o papel da sua mãe ou do seu pai na casa. Chegará o momento em que você estará cansada de carregar esse fardo e responsabilidade, pois não é o seu papel, Deus te colocou como filha nessa família e assumir outras funções será prejudicial para você lá na frente.

  • Não carregue esse fardo sozinha:

Não carregue esse fardo sozinha: tenha alguém próximo, uma líder, uma discipulador, alguém que você saiba que é temente a Deus e seu coração está nEle. Procure a ajuda dessa pessoa, encontre-se com ela, mande mensagens, fale sobre seus sentimentos, sobre seus medos, sobre suas angústias. Não sinta que estará incomodando ou atrapalhando, se essa pessoa se dispôs a caminhar do seu lado, ela ficará feliz em saber que você lembra dela momentos mais difíceis e procura um conselho saudável. Você precisa buscar pessoas que irão te consolar e ajudar a manter os teus olhos fixos em Jesus no meio dessa tempestade.

O divórcio é uma perda grande para todos, em alguns casos pode demorar um pouco mais para digerir esse luto e conseguir se reorganizar, se você está percebendo essa dificuldade, não hesite em procurar ajuda de um profissional.

  • Entregue suas preocupações:

Minha querida, por mais imperfeitos que seus pais sejam, não esqueça que você tem um Pai que é perfeito em tudo o que faz. Entregue suas preocupações diante dEle e saiba que cada palavra da sua boca, cada lágrima derramada em secreto, será ouvida e consolada por Aquele que é o próprio Amor. Lembre-se que a própria Bíblia nos exorta a não andarmos ansiosas, mas colocarmos nossos pedidos diante de Deus: “Não andeis ansiosos por coisa alguma; antes em tudo sejam os vossos pedidos conhecidos diante de Deus pela oração e súplica com ações de graças; e a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará os vossos corações e os vossos pensamentos em Cristo Jesus”. Filipenses 4: 6,7.

Que Deus seja sua força nesse momento,

forte abraço

Jaque

Postagens Recentes

A Anne dos Livros

Se você está por dentro das séries famosas atuais, já deve ter, pelo menos, ouvido falar de Anne With An E. É uma série linda,

Leia mais »

Categorias