FéMenina

Lilias Trotter – Biografia

Isabella Lilias Trotter, nasceu em 14 de julho de 1853 na grande e rica família de Alexander e Isabella Trotter. Ela cresceu nos arredores privilegiados do West End de Londres durante a Idade de Ouro Vitoriana, experimentando a tutela privada de governantas em casa e o estímulo das viagens continentais em carruagens puxadas por cavalos durante os meses de verão. A morte de seu pai aos 12 anos cooperou para a sua mudança de vida, momento em que ela voltou profundamente seu coração e orações para conhecer a Deus e ter intimidade com ele. Recém convertida, começou a servir com a missão YWCA no Welbeck Street Institute uma casa de passagem para meninas que viviam nas ruas. Ela também foi despertada para a realidade de prostituição em Londres.

Seu talento artístico chamou a atenção e interesse de John Ruskin, o principal crítico de arte da época e uma figura monumental e influente. Se ele dissesse que determinada coisa era boa, aquilo era realmente bom. Por anos, Lilias foi sua aluna e o pupilo de Ruskin. Ele visualizou um futuro de artista a nível mundial para ela.

Com 26 anos, Lilias dividia seu tempo nas ruas de Londres resgatando meninas e prostitutas e em outra parte com seu tutor, Ruskin. Para ele não era suficiente e nunca entendera o porquê de uma jovem de classe alta, com grande potencial artístico, dividia sua vida em prol da escória da sociedade de Londres (órfãos e prostitutas).

Ela amava sua arte e sabia ser possível que Deus usasse sua influência naquela área para os propósitos do seu Reino. Mas, finalmente ela disse “Agora vejo, tão claro como o dia, que não posso dedicar-me à pintura de modo como ele [Ruskin] pretende e, ainda, continuar a buscar ‘em primeiro lugar o reino de Deus e a sua justiça’. Embora atraída pelo possível sucesso, sua devoção em servir a Deus a levou a renunciar a vida de artista com privilégios e lazer.

Em 1888, ela ouviu uma mensagem sobre os povos não alcançados no norte da África, e se moveu nessa direção. O resto aconteceu em um período surpreendentemente curto. Com seus próprios recursos, aos 35 anos, ela foi para à Argélia com outras duas amigas, também com convicções missionárias, para conhecer a cultura local sem saber uma palavra em árabe e começou a explorar áreas nunca antes visitadas por missionários.

Nas quatro décadas seguintes, Lilias fundou a Algiers Mission Band com o foco de evangelização e discipulado. Ela passou o resto da vida levando a luz, a vida e o amor de Jesus ao povo árabe do norte da África.

Lilias desistiu de sua carreira e obedeceu ao Senhor, se arriscou em viagens perigosas para regiões muçulmanas onde ganhou convertidos entre os árabes, os franceses, os judeus e africanos, por amor ao Deus, e não a si mesma.

A História de Lilias é cheia de detalhes e surpresas, tão cheias que poderiam facilmente preencher um livro e recomendo que pesquise mais sobre ela. Mas minha intenção hoje é mostrar a atuação de Deus na vida dela. Deus trabalha de forma surpreendente e independente de sua idade, saiba que desde já ele tem lapidado o seu coração para servi-lo onde você estiver. Talvez Deus lhe chame para outras nações, ou para ser uma excelente profissional atuando aí mesmo onde está. Independente de onde Deus te levar, saiba que ele te capacita e sustenta, mas precisamos alinhar o nosso foco em nele!

“É fácil descobrir se nossas vidas estão focalizadas e, neste caso, no que estão focalizadas. Em que se concentram nossos pensamentos, quando nossa consciência volta pela manhã? Onde eles oscilam quando a pressão é aliviada ao longo do dia?… Tenha coragem para perguntar isso a Deus… e peça-Lhe que lhe mostre se tudo está ou não focalizado em Cristo e em sua glória. Direcione a visão de sua alma para Jesus, e olhe insistentemente para Ele; então uma estranha obscuridade virá sobre tudo o que está à parte dEle.”

 

Um mega abraço,
Angélica Agostini

 

REFERÊNCIAS

PIPER, Noel. Mulheres Fiéis e Seu Deus Maravilhoso. São José dos Campos: Editora Fiel, 2012.

Postagens Recentes

Enfim, a hipocrisia

Vejo na Internet ultimamente: Na defesa de quem ofendeu por racismo, a ofensa com palavras de gordofobia ou ódio; O posicionamento contra o aborto é

Leia mais »

Categorias