amizades-intencionais

Coisas que eu deveria ter aprendido antes de sair de casa (Parte II)

Saímos de casa por inúmeras maneiras – estudo, trabalho, casamento – e, nem sempre, estamos preparadas para, de fato, sair. A casa é tão tranquila! O ninho é tão aconchegante! O colo é reparador. Mas, um dia, nosso tempo chega e precisamos deixar a casa dos pais.

Contudo, de que maneira estamos indo? Será que nos preparamos para esse momento? Será que temos ideia de tudo que poderá acontecer? Certamente não sabemos de todas as coisas, entretanto, podemos nos preparar para as coisas que sabidamente irão acontecer.

Por isso, algumas coisas saíram de dentro do meu coração (outras de dentro das minhas lágrimas) e gostaria de compartilha-las aqui, para que você pense nesse assunto e prepare-se: pois uma hora algo parecido também pode acontecer com você.

Eu deveria ter aprendido antes de sair de casa que preciso desenvolver amizades edificantes

Ao sair de casa, provavelmente, você precisará fazer novos amigos. Mas e ai, tem critério de escolha?

Uma amizade bíblica não é apenas uma questão de afinidades ou conveniências. Para o cristão, amigos verdadeiros são aqueles com quem é possível compartilhar as coisas mais profundas da vida. São pessoas com quem é possível ser transparente e aberto. São confidentes, aconselhadores, irmãos de fé.

Sendo assim, precisamos de sabedoria para desenvolvermos uma amizade edificante. Esta ideia envolve a busca pensada e planejada por uma amizade saudável, que te incentive no amor e às boas obras (Hebreus 10.24), te torna mais sábio (Provérbios 13.20), que exorta em amor (Hebreus 3.12 e 13), que é um irmão na adversidade (Provérbios 17.17).

Há muitos benefícios em uma amizade que edifica, como já disse o salmista: Bem aventurado o varão que não anda segundo o conselho dos ímpios, nem se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores” (Salmos 1:1).

É interessante notar que, no hebraico, “bem aventurado” era utilizado como uma expressão que poderia ser traduzida hoje como “feliz, muitas e muitas vezes feliz!”. Além disso, observe como as companhias que “o varão” do texto (ou guri, depende da sua região) não escolheu poderiam ser gradualmente prejudiciais para uma vida piedosa e justa. Andar casualmente segundo o conselho dos ímpios, se deter, tomar posição com os pecadores, se assentar, permanecer na roda dos escarnecedores. Estas não eram amizades saudáveis e não trariam ao “varão” felicidade (bem aventurança).

Por isso, é um grande privilégio ter amizades que te aproximam de Deus! Hoje, tire um tempo para agradecer a Deus pelas amizades que você tem. Envie mensagens carinhosas aos seus amigos, diga a eles como sua vida tem sido abençoada através de Cristo na vida deles, chame-os para um bom chimarrão (ou café) e compartilhe como a vida é feliz pela amizade de vocês. E, se você tem sentido falta de boas amizades, que esse seja um motivo de súplicas ao nosso Senhor!

Indicação de leitura:

8 Mulheres de Fé, Michael Haykin

Um grande abraço,

Geíza Lemos Hein

Posted in Conselhos de amiga.

One Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *