Status: não sou mais virgem, e agora?

Talvez um dos capítulos mais tristes dos meus aconselhamentos com adoles e jovens cristãs pairam sobre este tema: Caí, estou arrependida, mas não tenho mais como voltar atrás. Está feito. Como vou contar para o cara certo, que eu já me entreguei ao cara errado?

Meus olhos estão lacrimejando, meu coração ficou apertado por relembrar as longas conversas cheias de confissões amargas de meninas e jovens doces que encontrei por aí. Algo que elas tanto preservavam, tanto sonhavam tinha se esvaído por cederem aos seus desejos. O desejo passou, mas a dor permaneceu.

Agora em suas histórias elas têm amargas lembranças que as cercam e tornaram-se seus maiores vilões ocultos. O que fazer? Para quem contar? Será que mereço este cara que gosta de mim e é tão puro?

No universo cristão estas indagações são muito comuns. Para quem não conhece a Cristo é um loucura, uma real loucura, afinal para eles a pergunta é outra: por que arrepender-se de um ato livre e cheio de paixão?

Mas aqui no diário real de uma garota cristã esta é uma das palavras que habitam em muitos corações: ARREPENDIMENTO. É por isso que venho aqui abrir o jogo com vocês e trazer um memorial novo: TODOS CAÍMOS. Alguns caem através da fofoca, outros das mentiras, outros dos pensamentos, outros na vida financeira, arrogância, orgulho, mediocridade e outros em pecados sexuais. O importante é lembrar: todos, ou para tornar mais pessoal: TODAS caímos. E caímos diariamente.

O que importa é o que fazemos após uma queda. Há quem caia e permaneça errando. Tapa os olhos e finge que seus pecados também não são vistos por Deus, mas há quem caia e encare sua triste realidade de pecador e tome uma atitude consciente de arrependimento.

Arrepender-se é uma das práticas mais lindas que conheço e sempre que medito nisso fico deslumbrada com o amor de Deus. Ao cairmos, podemos e devemos arrepender-nos e recomeçarmos.

Acho que estas duas palavras são as palavras mais lindas do universo: arrependimento e recomeço. Elas nos lembram o nosso estado caído e pecaminoso, nos deixando humildes e dependentes e nos apontam para o caminho mais nobre do mundo, aquele que abraça, empurra, incentiva, vibra, abre as janelas fechadas, é caminho, é respirar, é vida na morte.

Não há como juntar de forma bela estas palavras, mas confesso que tentei. “Arre-meço” (siiim, sei que é arremesso, mas por favor, permita-se viajar comigo com o sentido destas duas palavras juntinhas) foi a melhor que encontrei. E atrevo-me a dizer que esta palavra se encaixa naquilo que estava pensando, o arrependimento nos arremessa para um novo caminho cheio de amor e vitória, mesmo nas desesperanças da vida.

É por isso, querida amiga, que venho aqui para te relembrar: um coração arrependido encontra o perdão e a restauração. Não carregue mais o fardo que ele não quer que carregue. Ele já te perdoou e você não precisa mais sentir-se culpada pelos erros do passado. Agarre este perdão e que ele seja a tua definição. Não encare de forma leviana teu status de perdoada. Viva intensamente e unicamente a partir de agora para a glória de Deus, em santidade e pureza. E não se preocupe, se o cara que diz que te ama, te dá flores e mimos for realmente “o teu par”, ele não ousará condenar aquilo que Deus resolveu perdoar.

Se confessarmos os nossos pecados a Deus, Ele é fiel e justo para nos perdoar e purificar da injustiça. 1 Jo 1.9

Marta Hoffmann Bueno

Status: Virgem aos 15, 20, 30 e poucos anos…

Ao pensar sobre virgindade, lembrei que existiam vários filmes que tratavam desse tema. Dei aquela “googleada” e encontrei vários títulos (não recomendados por nossa equipe, tá?): Virgem aos 40 – Virgem em Apuros – O último virgem – O diário de uma virgem – 18 anos e ainda virgem? – Um virgem de 41 anos – Ainda virgem? Mesmo sem ter assistido estes filmes, tenho quase certeza de que eles tratarão a virgindade como algo ruim e como uma perda de tempo. Dificilmente encontraremos nas mídias algo que reforce a ideia de que esperar o cara certo é tudo de bom. É por isso, amiga, que nós viemos aqui reforçar suas convicções.

Não sei quem está lendo este texto agora e muito menos qual é o seu status. Se já está na faixa dos 15, 20, 30, 40 e se em sua história você faz parte do seleto grupo que tem resistido às tentações sexuais e, como diz o último título do filme acima, ainda é virgem, vou tentar humildemente traçar a linha histórica dos comentários que uma garota que quer manter-se virgem até casar-se recebe na sociedade atual:

Fase 1: Freira da família!

  • Vai virar freira?

Fase 2: Pena!

  • Que desperdício! Menina tão bonita, só podem ter feito lavagem cerebral em ti!
  • Mentira que tu vais esperar o casamento, né?
  • Não existem mais homens virgens no mundo! Por que esperar, se ele não está te esperando?

Fase 3: Titia é uma palavra que combina contigo!

  • Desse jeito, vais ficar para titia! Estás escolhendo muito!

Fase 4: Piadinhas sem graça (já que todas as alternativas acima se esgotaram):

  • Se cupido existisse ele teria este lema a teu respeito: “Mil cairão ao teu lado, dez mil à tua direita. Mas tu não serás atingido”.

Falo destas piadinhas e comentários com propriedade, pois ouvi em minha adolescência e juventude “all the time”. Mas como uma ex integrante deste grupo seleto, quero reforçar uma das maiores lições aprendidas em minha vida: obedecer a Deus como resposta de amor é a melhor sensação do mundo. Por isso, quero te relembrar do porquê sua espera deve ser consciente e de fato pura:

Nossa motivação deve ser uma resposta de amor ao amor de Deus por nós e ao amor que eu quero oferecer ao cara que Deus tem preparado para mim. Essa espera nem sempre é fácil, às vezes demora mais do que o planejado e é cheia de propostas, dúvidas e temores. Ouso compará-la a uma série com longas temporadas, que precisam ser contempladas, uma a uma.

Tem muitas séries legais que nos emocionam, nos divertem, nos entristecem e nos enchem de curiosidade e nos fazem apertar o play rapidinho para irmos de uma vez para o próximo episódio. Confesso que muitas vezes, preciso ter muita paciência para esperar a próxima temporada que parece nunca chegar na Netflix. Sem falar daquelas séries que tem muitas temporadas e nos dão aquela tentação de ler a resenha do último episódio, mas precisamos nos controlar porque a história é revelada episódio após episódio. Temos que assistir cada detalhe com atenção, porque senão, poderemos ficar completamente perdidas. Não dá pra chegar na metade da série e querer ver o último episódio. Se não, perderemos o processo que deixou aquela série EMOCIONANTE, INCRÍVEL e IMPERDÍVEL.

Quando o assunto é sexo, precisamos viver episódio após episódio (assim como nas séries) para chegarmos lá no tão esperado episódio final que é o casamento. Não dá para pular episódios, nem temporadas. Se fizermos isso, nós é que sairemos perdendo. Perderemos a alegria da espera, os detalhes legais, perderemos até mesmo a curiosidade, e a bênção de viver na obediência. Quando nos envolvemos em práticas sexuais fora do casamento pulamos etapas, perdemos a pureza, e o encantamento da espera.

Se o sexo pode ser comparado a uma série, qual é o episódio final?

Quando você encontrar aquele cara que mais combina contigo, poderá desfrutar do que Deus planejou desde o princípio. Eu casei com 30 anos e pela graça de Deus consegui manter-me virgem. E posso dizer que valeu a pena esperar por este dia. Meu marido e eu sentimos como foi especial obedecer com alegria a vontade de Deus. Lembro que quando era missionária em SC, algumas meninas de 12 e 13 anos riam de mim quando eu contava meu testemunho de estar esperando pelo meu futuro marido e que ainda não tinha feito sexo com quase 30 anos. Fiquei com vergonha? É claro que não! Fiquei com meu coração entristecido ao ver o que o mundo tinha feito nos corações delas. Aquilo que é certo aos olhos de Deus, era motivo de vergonha para elas.

Por isso, amiga, lembre-se disso: não são suas amigas, nem familiares e colegas que devem determinar o que você faz e acredita. É Deus quem deve te guiar. É a Bíblia. Escolha obedecer a Deus mesmo quando parecer difícil. Escolha confiar mesmo quando você já não for uma adole e os 20 ou 30 anos estiverem chegando e você ainda estiver solteira. Combinado?

Você não faz ideia como é legal saber que alguém também esperou por você. Ore por ele desde já. Não pule episódios. Viva sua adolescência e juventude fazendo muitos amigos e amigas, viajando, estudando, trabalhando, servindo a Deus na sua igreja, no seu bairro, indo a muitos acampamentos e vivendo como uma garota que se alegra em esperar pelo cara legal que também está esperando por você para que no episódio final da sua super série romântica vocês sejam felizes agradando a Deus sem perder nenhum detalhe legal da história linda que Ele escreveu para vocês.

Dicas “sinceronas”:

  • Nesta etapa da sua vida, agregue a pureza a cada escolha pessoal. De nada adiantará manter o hímen intacto se o seu coração for cheio de pecado como maus pensamentos e orgulho pessoal (aliás podemos erroneamente usarmos a virgindade como medalha para nossa autopromoção e isso será um erro terrível);
  • Alie a sua escolha a busca pela pureza da sua mente e coração;
  • Tenha amigas que também estão esperando para fazer sexo dentro do casamento. Isso te lembrará que você não está sozinha;
  • Lembre-se do texto: “Aquele que PENSA estar em pé, cuide para não cair”.(1 Co 1.12) Nunca pense estar aprovada em nenhuma área da vida, caso contrário você relaxará e poderá cair. Saiba que você é humana e diariamente conta com a graça de Deus para caminhar em obediência e amor;
  • Tenha muito cuidado com as pessoas que você se relaciona, pois um relacionamento com um cara que não sabe controlar-se poderá te levar a amargos arrependimentos;
  • E se eu cair? O que deverei fazer? Deverá recomeçar no seu propósito de santidade. Comece aonde você está. E não acredite nas mentiras ditas por aí, que após cair é impossível ficar sem. Pode ser mais difícil, mas nunca será impossível. Comece hoje e guarde seu corpo, mente e coração para…

Ah, sobre isso eu conversarei contigo na quinta-feira. Pode ser?

Um abraço carinhoso,

Marta Hoffmann Bueno

existe roupa de crente

Existe roupa de “crente”?

O que você acha? Existe mesmo roupa de “crente’? Até lojas de “moda evangélica” já existem para atender ao público feminino mais “recatado”. Mas o que é se vestir como uma menina crente no Senhor Jesus? Bom, tudo começa no seu coração. A motivação do seu coração vai transparecer no modo como você se veste. Como eu já havia falado no post sobre “Modéstia”, existem roupas que não são apropriadas para uma menina temente a Jesus. Roupas curtas, mostrando demais as pernas, a barriga ou as costas, deixando aparecer as roupas íntimas como o sutiã, transparências e roupas coladas demais ao corpo não são vestes que agradam a Deus. Mesmo que esteja “na moda”, nós, cristãs, fazemos nossa própria moda, de acordo com a vontade de Deus.

Então, eu te pergunto: Qual a motivação do seu coração? Você quer se vestir para ser sensual, sexy e desejada? Então, pare e pense comigo: certamente você só vai atrair um tipo de cara: aquele que quer somente o seu corpo e não o seu coração. É isso que você realmente quer? Deus não quer isso para você, Ele tem algo bem melhor do que isso. Ou será que você quer se vestir para impressionar outras meninas, mostrando como você é bonita e se veste bem, com roupas “de marca”? Seja qual a motivação do seu coração, você precisa saber que Deus quer uma vida totalmente diferente e nova para você e isso inclui o seu modo de se vestir. A Bíblia fala de um baita mulherão que era bonita por fora, mas mais ainda por dentro, porque ela temia ao Senhor (Pv 31.30). Você pode ser esse mulherão! Apenas precisa deixar Deus guiar sua vida – e isso inclui seu guarda roupa.

Sendo práticas – será que estas roupas combinam com uma garota cristã? Vamos pensar juntas:

  • Top cropped – (   ) Sim (   ) Não
  • Vestido com transparências mostrando excessivamente o “corpicho” ou as costas – (   ) Sim (   ) Não
  • Roupas coladas (aquelas que as meninas parecem embaladas à vácuo) – (   ) Sim (   ) Não
  • Mostrar sutiã, e roupas com decotes acentuados – (   ) Sim (   ) Não
  • Mostrar a barriguinha – (   ) Sim (   ) Não
  • Short curto, curtíssimo, ou curto fora do padrão JUMAP (piadinha interna dos pioneiros) – (   ) Sim (   ) Não
  • Biquíni fio dental e pequenininho ( e depois postar fotos nas redes sociais sensualizando e ainda por cima usando versículo bíblico de legenda) – (   ) Sim (   ) Não

Agora, você pode ter lido tudo isso e concordar comigo ou não. Mas eu não quero que você simplesmente concorde comigo. Eu quero que você olhe para o seu coração e analise as motivações dele. Não permita que o mundo dite como você deve se vestir, faça você mesma a sua própria moda, com beleza, elegância, mas também com modéstia e pureza. E se estiver com dificuldades, faça a oração que Davi fez no Salmo 139.23-24: “Sonda-me, ó Deus, e conhece o meu coração; prova-me e conhece minhas inquietações. Vê se em minha conduta algo te ofende e dirige-me pelo caminho eterno.”

Deixe Deus ser o Senhor do teu guarda roupa também e te conduzir a um modo de se vestir que reflita o teu valor perante Ele e o teu amor por Ele.

“As roupas de uma mulher verdadeiramente cristã não gritarão: ‘Sexo! Orgulho!
Dinheiro!’ mas suavemente insinuarão: “pureza, humildade e moderação’.”

Jeff Pollard

Adriane Miozzo Balaniuk

modéstia

Modéstia: O que é isso?

Se fizermos uma busca rápida no Google, logo encontraremos várias definições do que é “modéstia”.

Modéstia é a ação de moderar nosso comportamento humano, como vaidade, excentricidade e vulgaridade.

Uma pessoa modesta é considerada despretensiosa, simples e humilde, que não possui nem demonstra vaidade em relação a si mesma, que não se importa com luxo e ostentações e que age com decência. A modéstia, segundo a Bíblia, é tudo isso com um detalhe importante: agir de forma decente e pura, sem motivação pecaminosa. A Bíblia fala muito sobre esse tema quando se refere ao comportamento de um verdadeiro cristão, mas, cá entre nós, como podemos agir com modéstia no nosso dia a dia, em nossa família e com nossas amigas?

  • Modéstia no falar (Cl 4.6): Seja cuidadosa com suas palavras. Não convém a uma moça que ama a Cristo falar coisas indecentes e obscenas, fazer piadinhas sensuais referentes ao corpo de algum rapaz, fazer fofocas ou fazer pouco de outras pessoas, denegrindo-as ou humilhando-as. Seja moderada no seu falar, sem gritaria e sempre buscando ser gentil, falando com bondade, sabedoria e pureza. Lembre-se: “a boca fala do que o nosso coração está cheio” (Mt 12.34).
  • Modéstia com os meninos (Gl 5.19): Você não precisa “se atirar” nos braços do crush para mostrar que está interessada nele, pelo contrário! Aja com modéstia: sorria, seja sempre amável, mas se segure! Coloque diante de Deus o seus sentimentos por ele e deixe que o Senhor guie teus passos e te dê as respostas certas quanto aos teus sentimentos. Se você tem amigos meninos, cuidado com seu comportamento com eles e perto deles. Não convém que uma bela moça que afirma amar a Cristo seja indiscreta e grosseira. Nós precisamos ser femininas, do jeitinho que Deus nos planejou para ser.
  • Modéstia no modo de se vestir (1Pe 3.3-4): Existem roupas que não são apropriadas para uma menina temente a Jesus. Roupas curtas, mostrando demais as pernas, a barriga ou as costas, deixando aparecer as roupas íntimas como o sutiã, transparências e roupas coladas demais ao corpo não são vestes que agradam a Deus. Mesmo que esteja “na moda”, nós, cristãs, fazemos nossa própria moda, de acordo com a vontade de Deus. Lembra que eu falei ali em cima sobre motivação pecaminosa? Nosso modo de vestir revela muito do que há em nosso coração. Qual a motivação do seu coração? Você quer se vestir para ser sensual, sexy e desejada? Certamente você só vai atrair um tipo de crush: aquele que quer somente o seu corpo e não o seu coração. Deus tem algo bem melhor pra você! Somos preciosas demais e precisamos nos vestir como verdadeiras joias. 
  • Modéstia no modo de se comportar (2Tm 2.22): Uma moça que busca agradar a Deus procura cuidar de suas atitudes e buscará a santidade no seu comportamento. A menina modesta ama a Deus e quer refletir a beleza interior que vem de Dele. Suas ações e atitudes refletem a beleza de uma vida guiada por Jesus. Modéstia é amar a pureza, por amor a Cristo.

Levar uma vida de modéstia realmente é um desafio! Se você achou tudo isso muito complicado ou difícil de alcançar, saiba que em Cristo tudo é possível. Se buscarmos direção em Sua palavra e pedirmos Sua ajuda, Ele nos atenderá e nos transformará em belas moças que vivem uma vida modesta por amor a Ele. 

“A beleza de vocês não deve estar unicamente nos enfeites exteriores, como lindos penteados, joias e roupas caras. Pelo contrário, essa beleza deve estar em seu coração, pois essa você não perderá, beleza demonstrada num espírito dócil e tranquilo que é de grande valor a Deus.” 1 Pedro 3.3-4

Adriana Miozzo Balaniuk

Conectada – usando a tecnologia para crescer espiritualmente

“Todavia, lembro-me também do que pode me dar esperança” Lamentações 3:21 NVI

Hoje vivemos num tempo como nenhum outro, de informação compartilhada, conexões facilitadas, o mundo sem fronteiras físicas impedindo a comunicação. Hoje temos mais conhecimento na palma de nossas mãos do que nossos antepassados tiveram em toda a vida. Mas fica difícil filtrar e reter o que é bom no meio de um fluxo desenfreado de coisas que tiram nosso foco do alvo. Esse exagero traz a sensação de estarmos perdidas em meio a tudo isso.

O versículo acima chama a minha atenção por  lembrar-me o quão importante é  cuidar no que estamos investindo nosso tempo, esforço e oportunidades. Se temos tantas ferramentas em nossas mãos porque não usarmos para o crescimento espiritual também?

O mundo tem se utilizado de todas as formas de indução, nós como conhecedoras da Verdade Eterna devemos também investir (e pesado) para proclamar as Boas Novas utilizado o que temos ao alcance. Nosso tempo aqui é precioso somos chamadas para viver de forma intencional. Mas no meio da semana, em nossa rotina de trabalho, estudos, transporte e tarefas é fácil andar no automático.

Passamos tanto tempo cercadas pela tecnologia, o que pode ser uma distração terrível, mas dependendo do foco em que estamos usando poder uma ótima aliada. Tenho buscado em meio a tantas tarefas tirar um tempo de reflexão e aprendizagem.

Pra quem, como eu, ama ler, mas pela rotina tem pouco tempo para sentar e fazer uma leitura despreocupada, tenho utilizado um aplicativo de leitura onde você seleciona o arquivo (word, pfd, Mobi) e ‘a mulher do Google’ lê. É muito bom! Este é para Android, mas o IOS tem o próprio leitor também.

https://play.google.com/store/apps/details?id=com.prestigio.ereader

Ouvir pra mim tem um efeito muito bom, muitas vezes, consigo aproveitar mais que a leitura em si e nisso tenho desfrutado de bons programas de Podcast. Como os da Glocal delas, Ministério Graça em Flor, Projeto do coração e os vídeos da Val Gonçalves do Jesus Copy. Essas mulheres reais, tem me inspirado e ajudado na caminhada cristã.

Confira os links a seguir:

https://projetodocoracao.com/podcast-2/

https://gracaemflor.com/type/audio/

https://m.soundcloud.com/glocaloficial/ep007-ansiedade-podcast-glocal-v01

https://youtu.be/gEIt8B9rQKU

Outro recurso importante tem sido o clube de leitura Entre Linhas, Entre Elas que tem me abençoado muito através das leituras e compartilhamento dos aprendizados, te convido a conhecer!

@entrelinhas.entreelas no Instagram.

Espero que essas dicas te ajudem a utilizar melhor seu tempo e estar mais conectada com o Senhor Jesus. Ah, e se você tem mais dicas compartilhe conosco, pois assim poderemos crescer juntas nessa caminhada. Lembre-se sempre: do quão amada e preciosa para o Senhor você é e viva intencionalmente!

Grande abraço, Kedma Barros.

 

 

eu-uma-discipuladora

Eu – uma discipuladora?

Ter uma discipuladora é como ter uma professora que ensina a matéria mais importante da vida – só que fora da sala de aula. Alguém que ensina, que é divertida, que é séria quando precisa ser, que está perto para nos ouvir quando mais precisamos. É alguém que ensina a Bíblia, ensina princípios, dá conselhos, oferece os ouvidos e acima de tudo ensina sobre Jesus. Você já tem alguém assim?

Ao longo de sua vida, provavelmente, você terá muitas discipuladoras e poderá ser discipuladora de muitas meninas também. Por isso, preste atenção em duas coisas importantes na hora de seguir os passos de alguém:

1. Ela ama a Deus?

Amar a Deus de todo o coração é indispensável para poder falar sobre Ele. “Ame o Senhor, o seu Deus de todo o seu coração, de toda a sua alma e de todo o seu entendimento” (Mateus 22:37).

2. Ela busca aprender e parecer-se com Jesus?

Quando você pensa em alguém para seguir os passos, aprender, sempre precisa ficar atenta se esta pessoa se parece com Jesus, se é amável, bondosa, paciente, fiel, etc. “Aprendam de mim, pois sou manso e humilde de coração, e vocês encontrarão descanso para as suas almas” (Mateus 11:29).

É muito bom ter alguém por perto para abrir o coração e ser ensinado, pois nem sempre estamos fazendo aquilo que agrada a Deus e precisamos de correção. Nem sempre estamos super felizes e precisamos de abraços bem apertados de pessoas que amam a Jesus.

Ter uma discipuladora é ter alguém para aprender tudo o que puder para poder começar a aventura do telefone sem fio. Opa! Deixe, eu te explicar melhor sobre isso. Eu tenho quase certeza que você já brincou de telefone sem fio. Estou certa? Nesta brincadeira, fazemos um círculo e uma das crianças recebe uma frase ou palavra que deve ser repassada individualmente, no ouvido do próximo colega que também deve repassar ao outro, até chegar na primeira pessoa que disse a frase.

O discipulado é como um telefone sem fio diferente. Quem começou a brincadeira, não apenas vai passar o conhecimento sobre Jesus, mas vai explicar bem direitinho o seu significado, vai mostrar com a vida, vai ensinar com calma e o próximo do círculo, vai aprender a fazer a mesma coisa e vai repassar para o outro, que vai repassar para outro e isso se tornará uma aventura sem fim. Por isso, preste muita atenção em tudo o que você tem aprendido, pois vai chegar a sua vez de ser uma discipuladora de alguém. Que tal, desde agora, você se preparar?

Anote as dicas:

  1. Ame muito a Jesus – daquele amor de preencher o coração;
  2. Leia a Bíblia e memorize partes dela – sublinhe os textos que mais mexem no seu coração – isso te ajudará a levar o que você tem aprendido para todos os lugares que você for: escola, casa, shopping, parques. Se a Bíblia estiver na sua mente e coração, você sempre poderá fazer a melhor escolha;
  3. Importe-se com seus amigos e amigas – aprenda a olhar o coração das pessoas, muitas vezes elas podem estar passando por momentos muito difíceis e estarem disfarçando. Pergunte sobre a família, convide-os para irem a sua igreja, fale de Jesus para eles;
  4. Vá a igreja – aprenda a louvar e adorar a Deus e, além disso, estar junto com pessoas que amam a Deus “alimenta” o coração;
  5. Ore de verdade – tenha um tempo todo o dia – só seu e de Deus. Fale com Ele como se estivesse falando com seu melhor amigo;
  6. Conte a alguma amiga o que você tem aprendido nos encontros;
  7. Leia bons livros e anote tudo o que você tem aprendido com Deus. Anotar em um diário, ou até mesmo digitar e salvar numa pastinha no computador, faz-nos memorizar melhor os conteúdos.

Grave isto em seu coração: sempre que você aprende algo novo com Jesus, tem experiências com Ele é como se você estivesse escrevendo um livro que mais para a frente poderá ler para outras meninas. A Bíblia, em Tito 2.4, fala que as mulheres mais velhas devem ensinar as mais novas. Fique esperta, pois você já, já, poderá repassar para as outras meninas tudo o que você tem aprendido com a sua discipuladora.

Ps: Se você ainda não tem uma discipuladora, ore a respeito disso e converse com o seu Pastor. Ele poderá te ajudar a encontrar uma mulher especial na sua igreja para te acompanhar e cuidar.

Um beijo,

Martinha

discipulado

Discipulado, por onde começar?

“Nós o proclamamos, advertindo e ensinando a cada um com toda a sabedoria, a fim de que apresentemos todo homem perfeito em Cristo. Para isso eu me esforço, lutando conforme a sua força, que atua poderosamente em mim.”  (Colossenses 1.28,29)

Oi guria do FéMenina! O papo de hoje é com a liderança! Quero compartilhar um pouco sobre discipulado.

Gosto da frase do Dietrich Bonhoeffer sobre discipulado de seu livro homônimo: “O discipulado é de graça, mas lhe custará a sua vida.” Discipulado envolve relacionamentos, envolve doação de atenção, tempo e de vida. É necessário também estar comprometida com Cristo para discipular alguém, sua vida precisa condizer com aquilo que vive e prega. Aquele papo de “faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço” no discipulado não cola! O apóstolo Paulo escreve em sua primeira carta aos corintos: “Tornem-se meus imitadores, como eu o sou de Cristo.” (1 Cor 11.1). Que desafiador isso! Que lindo! Devemos, do mesmo modo, seguir o exemplo de Jesus de tão perto, que possamos dizer com convicção as pessoas: “Imitem-me, como também eu imito Cristo.”

Acho engraçado como as crianças, por exemplo, gostam de imitar os adultos. Elas são alvos em potencial no quesito discipulado, pois tudo o que seus pais ou irmãos mais velhos fazem torna-se algo a ser repetido por elas, muitas vezes inconscientemente. Quando eu era pequena, gostava de imitar o jeito do meu pai rir, e ele me dizia que eu era o reflexo dele. Que responsabilidade isso para um pai! Hoje, tenho uma irmã pequena, e vejo nos pequenos detalhes como sou uma pessoa influenciadora na vidinha dela, ela quer me imitar no jeito de falar, agir, onde estudar e até que profissão escolher. 

O fato, é que como cristãs, estamos sendo observadas pela nossa família, amigas, lideradas e até mesmo pelas pessoas de fora. Somos influenciadoras onde estamos! Por isso pense bem em suas atitudes, reflita sobre quem você tem sido na sociedade.

Eu sou imensamente grata a muitas pessoas que passaram pela minha vida e me discipularam, muitas sem saber que o estavam fazendo. Aliás, também precisamos como líderes, ter discipuladoras durante nossa caminhada cristã, ter pessoas de confiança com quem contar, desabafar, compartilhar motivos de oração e manter uma prestação de contas de como está sua vida cristã. Se você não possui esse tipo de relacionamento com alguém, ore ao Senhor, para que lhe mostre uma amiga cristã firme para poder ser sua incentivadora, encorajadora, aquela a quem te ouvirá e te dará um ombro amigo e conselhos sempre que for necessário.

Nos Evangelhos, podemos ver Jesus em ação com o discipulado. Ele chamou os discípulos e disse-lhes: “sigam-me.” Ele os convidou para caminharem com ele, para estarem perto, lado a lado e os discipulou. Evangelismo e discipulado são ações diferentes, mas que caminham juntas! 

Na carta de Paulo aos Colossenses, vemos orientações que Paulo escreveu à igreja. Paulo viveu em um contexto bastante hostil, enfrentou inúmeras perseguições e desafios, mas mesmo assim, ele não desistiu de evangelizar e discipular as pessoas que o Senhor colocava ao seu redor.

Nos versículos em destaque no começo deste texto, (Colossenses 1.28,29), vemos que Paulo entendeu sua missão. E podemos destacar 3 verbos que tem tudo a ver com o discipulado:

  • Proclamar: A paixão de Paulo era proclamar o que o Senhor tinha feito e estava fazendo por ele, nele e através dele. Ele não só pregava, mas anunciava de forma informal as maravilhas de Deus. 
  • Advertir: Paulo advertia as pessoas com amor. É responsabilidade dos líderes da igreja fazer isso! Em Atos 20.31, Paulo descreve seu ministério em Éfeso e diz que por um longo período ele admoestava (advertia de maneira branda, aconselhava) com lágrimas. Se há pecado na vida de um crente, os demais crentes têm a responsabilidade de admoestá-lo com amor e carinho para abandonar aquele pecado. 
  • Ensinar: Ensinar, assim como advertir é responsabilidade de todos os crentes (Cl 3.16), e faz parte da Grande Comissão (Mt 28.20). É especialmente a responsabilidade dos líderes da igreja. (1 Tm 3.2). Paulo ensinava as coisas de Deus e entendeu que este trabalho não devia ser feito com suas próprias forças, mas com as do Senhor.

Entendemos que como líderes, temos uma grande missão e desafio em mãos. Deus nos confia as vidas das nossas meninas para proclamarmos o nome do Senhor, exortá-las quando necessário e ensinar sobre a Palavra de Deus através do nosso viver diário. A obra é dEle, somos apenas executadoras, instrumentos Suas mãos. Que desafio e alegria fazer parte disso! Que possamos olhar para Jesus com tanta dedicação e intensidade que passemos a refletir a beleza de Cristo em nosso viver diário. 

“A maneira mais importante de discipular é desfrutando você mesma de Cristo de um modo tão irresistível que o seu desfrute se torne contagiante.” (Jani Ortlund)

Alguns materiais que podem lhe ajudar nessa missão:

Um grande abraço, Maxieli Krüger Araujo.

REFERÊNCIAS:

MACARTHUR, John. Comentário Bíblico do Novo Testamento. 

ORTLUND, Jani. Como começar um discipulado com mulheres. Disponível em: <http://pt.9marks.org/artigo/como-comecar-um-discipulado-com-mulheres/>. Acesso em: 01 out de 2019.

ORTLUND, Jani. Reflexões sobre discipulado de mulheres. Disponível em: <https://ministeriofiel.com.br/artigos/discipulado-o-que-e-o-que-fazer-e-como-comecar/>. Acesso em: 01 out de 2019.

O que eu sou, coloco aos teus pés…

Diante da tua glória eu me humilharei”¹, prossegue a canção. Quem sou eu e quem é você para que possamos nos considerar boas demais, melhores que os outros à nossa volta? Somos pó e ao pó retornaremos, diz o texto bíblico, em Eclesiastes 12.7. Mas aos recebermos poder o alto, nos tornamos mais que vencedoras. Pessoas cuja beleza não é possível esconder. O brilho de Jesus, quando assim permitimos, torna-se um farol em nós, um referencial. 

O Deus dos céus vem até nós e chama cada um dos seus servos para ter o privilégio de servi-lo. Com o seu chamado vem também a autoridade do alto para realizá-lo. Ou como a experiência me permite afirmar, Deus paga o que manda fazer e nos empodera com uma ousadia incomparável. 

Neste ano, o Congresso FéMenina: Inteira, pode ser mais um evento ou pode ser aquele que te despertará para fazer diferença. As vagas são limitadas. Você já fez sua inscrição? Aproveite e faça AQUI, não deixe para amanhã.

O Senhor pode te chamar para revolucionar a história (sério!!). Ou simplesmente te levar a sair numa noite de inverno chuvoso para visitar aquela colega da sua sala de aula, que é uma chata e arrogante. Mas você ficou sabendo que ela andou se cortando e não tem ido às aulas. Você nem enviou uma mensagem no WhatsApp, pois sabia que ela não responderia… Que missão! Ninguém ficou sabendo que você se preocupou com a vida dela, exceto Deus com quem você dividiu a alegria ímpar de sair para abençoar e voltar abençoada. 

Na realidade o grau de importância e visibilidade daquilo que você fará, para a glória de Deus, é secundário em relação à sua atitude de aceitar o convite do Senhor.

Eu achava que meu ministério começaria com um convite especial da parte de Deus. Nada disso, fui como voluntária ao Instituto Paranaense de Cegos ajudar a servir a mesa durante uma confraternização de Natal. Meu papel, super relevante, era entregar os pratinhos de bolo…rsrs. Enquanto eles cantavam e sorriam, eu ficava me perguntando o que mais poderia fazer por eles e o Senhor me permitiu participar de uma linda história de amor. Vivi muita coisa incrível, bem acima da minha imaginação, num período de sete anos de ministério.

Na programação do Congresso FéMenina, haverá uma oficina com a Silvia, diretora do CAIS – Centro de Atendimento Integral ao Surdo. Uma instituição pertencente à TABEA, que representa a assistência social da Convenção Batista Pioneira. O CAIS fica na cidade de Ijuí, RS, e está ampliando seus serviços para que possam atender também aos deficientes visuais e deficientes físicos. A nova sede foi totalmente reformada para atender aos requisitos da acessibilidade.

A Silvia lidera, há 20 anos, o Ministério Mãos Divinas e há 25 anos participa de ações evangelísticas juntos aos surdos. Ela teve a alegria de acompanhar um surdo, o Sergio Pieniak, que conheceu quando ele ainda era criança, durante um trabalho voluntário de implantação do ministério com surdos na cidade de Erechim, RS. Hoje ele estuda na Faculdade Batista Pioneira e auxilia no ministério. “Às vezes não entendemos onde Deus nos levará. Na verdade, temos apenas que confiar nele”, ensina. É comum ver que quando os surdos se sentem apoiados pelo CAIS, querem levar seus amigos a conhecer Jesus. Seu desejo é ajudar a desenvolver mais surdos para o ministério.

“Como, porém, invocarão em quem não creram: E como crerão naquele a quem de nada ouviram? E como ouvirão, se não há quem pregue”? Rm 10.14.

 As barreiras na sociedade e na igreja, para os surdos, são as mesmas dos demais deficientes: acolhimento, inclusão, acessibilidade e quebra de preconceitos. Nem todos os deficientes têm deficiência intelectual, mas mesmo que tivessem, seria possível uma aproximação, basta querer fazer. Colocar-se à disposição para aprender é atitude humilde que constrói relacionamentos saudáveis.

Atuar em um ministério com deficientes é amar.” E isso é um dom de Deus para você. Quando temos a certeza de que estamos no centro da vontade de Deus, tudo fica leve, alegre e cheio de paz. Procure conhecer um trabalho de apoio a pessoas com deficiência em sua cidade. 

A Convenção Batista Pioneira tem um trabalho lindo com pessoas surdas e está ampliando suas atividades de apoio. Venha nos conhecer e participe do Congresso FéMenina 2019! Acredito que será marcante para muitas vidas. E, talvez, para a sua que está lendo agora este artigo… 

Creio que Deus deseja nos ter inteiras para a sua obra. Deixe-o falar com você durante o congresso. Inteira sugere estar de corpo e alma para aquilo que nos propomos para o reino. Seja no ministério com deficientes, no louvor, na mensagem ou coreografia… Inteira e feliz”.

Silvia Cristina Padilha da Costa, diretora do CAIS – Centro de Atendimento Integral ao Surdo, Assistente Social, com Especialização em Gestão de Projetos Sociais. 

Foto Fachada Cais/Ijuí/RS

Foto Fachada Cais – Ijuí/RS

Fabiana Silvestrini

¹  Eterno Amor – Diante do Trono (CD Hillsong Global Project)

As oportunidades de Deus estão perto de você

“Assim, permanecem agora estes três: a fé, a esperança e o amor. O maior deles, porém, é o
amor”. 1Co 13.13

Quase encerrando a série sobre a temática do Congresso FéMenina, Inteira, vamos conhecer o testemunho de duas pessoas plenamente felizes com o que Deus colocou aos seus cuidados.

Um povo não alcançado em nosso meio! Elas são a Dani e a Silvia. Mas hoje ficaremos com a história da Dani e na próxima semana, com a Silvia, virá o convite do CAIS, que comentei no artigo anterior. Não perca!

A Dani sentiu a convicção de um chamado para trabalhar no ministério aos 14 anos, vendo uma apresentação dos King’s Kids com uma coreografia que tinha LIBRAS. Então, estudou LIBRAS, fez a faculdade de fonoaudiologia com o objetivo de servir a Deus. Sua família nunca a apoiou muito, pelo fato de saber que ela precisaria ir morar em Curitiba, e aperfeiçoar-se no ministério, na Primeira Igreja Batista de Curitiba. E ela não queria caminhar nesta direção sem a benção da sua mãe. Como Deus conduz tudo com sabedoria, após concluir a faculdade de fonoaudiologia, a mãe da Dani ouviu de Deus que ele havia separado sua filha para o ministério. Com o detalhe que aquela foi a única vez que sua mãe ouvir Deus falar com ela. Benção concedida, e a Dani seguiu em frente. Em 2010 foi estudar teologia, em Curitiba. Como seminarista, atuou em todas as áreas do Ministério Eficiente (surdos, deficiência visual e deficiência motora) e implantou o Ministério AME, que atende deficientes intelectuais e autistas.

“Não é necessário ter uma formação específica para isso, explicou. Pois no começo, eu não sabia como ensinar a bíblia para o deficiente intelectual. Então, pensei: eu posso amar, abraçar, beijar. Assim, AME é o imperativo de amar, o amor ágape. Amamos, de forma intencional, sem esperar por nada em troca. A resposta do deficiente intelectual ou do autista será diferente.

Os desafios são enormes na igreja. Há o preconceito, o desconhecimento em achar que não é necessário ter essas pessoas na igreja ou de desenvolver a inclusão com as demais crianças. Se for adulto, pode-se desenvolver ações específicas, mas é importante que eles participem nas atividades da igreja; nos cultos, pequenos grupos ou células. Quando as demais pessoas pensam que atrapalha, dificulta a inclusão. Como corpo de Cristo, se uma igreja local não tem pessoa com deficiência, entendo que essa igreja é deficiente. Porque cada um tem a sua riqueza, a sua subjetividade. Eles também nos ensinam sobre o amor de Deus.

Precisamos quebrar esse preconceito, tirar o estigma de que é assunto desconhecido e tornar conhecido. Isso acabará atraindo pessoas que não são da igreja, numa ação evangelística. A inclusão é um instrumento para tornar o evangelho acessível para a pessoa com deficiência e sua família, pois ambos acabam ficando isolados. Não têm acesso a muitos lugares, muito menos na igreja. Quando abrimos as portas da igreja, acabamos ajudando essa família, proporcionando dignidade humana, melhoria de vida. O evangelho tem o poder de transformar de forma integral, pois Deus deseja tocar numa pessoa, numa família de forma integral. Igrejas com práticas includentes abrem oportunidades de transformação de vidas.

Em 2019 o Ministério Eficiente começou com o treinamento semestral chamado de “Igreja Acessível”. Para que os membros da PIB Curitiba conheçam mais sobre as deficiências, ensinando-os a incluir os deficientes em qualquer atividade da igreja e não apenas no Ministério Eficiente. Os deficientes poderão ser acolhidos e bem recebidos. A ideia é multiplicar a experiência para outras igrejas, ensinando sobre cinco áreas de deficiência: auditiva, visual, física, intelectual e autista. O próximo passo será ensinar a desenvolver ações específicas ampliando o conhecimento dos membros da igreja sobre o assunto.

Quando uma igreja considera a possibilidade de incluir os deficientes, isso já é motivo de gratidão. Não existe segredo. Acolher é tratar bem o deficiente como se trata qualquer outra pessoa. Na internet há meios de se informar um pouco mais. Incluir não é apenas proporcionar acessibilidade, pois de nada adianta ter uma rampa ou elevador se o deficiente é visto com indiferença quando chega ao templo. Ele se sente invisível. Por outro lado, uma igreja que não tenha acessibilidade, mas saiba acolher, valoriza a presença da pessoa com deficiência. É uma atitude positiva. Vale muito mais do que ter apenas estrutura física para receber. Acolher é o primeiro grande passo.

Para quem quer se desenvolver nessa área, converse com Deus a respeito, fale com o seu pastor, pois as pessoas com deficiência são um povo não alcançado pelo evangelho de Cristo. Pesquise a população da sua cidade, se há algum trabalho em outras igrejas, se informe sobre políticas públicas e ame”!

A Daniele Gotardo Veloso é Fonoaudióloga, Teóloga, Especialista em Educação Especial, Especialista em Educação Bilíngue para Surdos – Letras LIBRAS / Língua Portuguesa, Mestranda em Teologia, Docente na FABAPAR, TILSP, Ministra Auxiliar no Ministério Eficiente.

Fabiana Silvestrini

Se o seu desafio é uma montanha, que tal escalar?

Meninas, na série sobre o tema do Congresso FéMenina, INTEIRA (saiba mais AQUI), compartilho com vocês uma matéria do Jornal Gazeta do Povo, na Coluna Sempre Família¹, onde temos um exemplo prático de que pensar que o “mundo acabou”, porque algo que queríamos tanto não deu certo, ou porque nos falta algo ou alguém, é desperdiçar o prazer de viver e de ser livre. Perceba o Deus Criador na beleza de proporcionar alternativas tão criativas e inspiradoras

Como diz a protagonista desta aventura, Melanie, a história que vamos ler “é um exemplo para que alguém pense fora da caixa em que foi colocado”.

Ela não pode caminhar e ele não enxerga, mas juntos escalam montanhas.

Foto: Facebook/Hiking with Sight

Ele é as pernas e eu sou os olhos!“, diz a norte-americana Melanie Knecht que nasceu com espinha bífida, enquanto seu amigo, Trevor Hahn, perdeu a visão há cinco anos […] Escalar uma montanha não é para qualquer um. A caminhada exige muito esforço, além de uma certa experiência e muita atenção durante o trajeto. Os amigos Trevor Hahn, de 42 anos, e Melanie Knecht, de 29, compartilham uma verdadeira paixão pela natureza e por atividades ao ar livre, o que os levou a formar uma equipe e encarar juntos, desde o ano passado, a aventura de caminhar pelas montanhas.

No entanto, Trevor e Melanie, que moram no estado do Colorado, Estados Unidos, não são uma equipe convencional. Melanie nasceu com espinha bífida e usa uma cadeira de rodas para se locomover. Por isso, desde sempre, ela buscou soluções alternativas para fazer as atividades que tinha vontade. Já Trevor perdeu a visão há cinco anos devido a um glaucoma. Apaixonado por caminhadas na natureza, continuou fazendo a atividade com a ajuda de amigos que passaram a guiá-lo com orientações de voz e uma campainha.

Em 2018, os dois se conheceram em um curso de exercícios adaptativos e não demorou muito para se tornarem amigos devido a paixão em comum. Os planos de começarem as caminhadas juntos foram uma consequência desse encontro que têm mudado a vida de ambos. “Para nós, nos unirmos para fazer isso parecia senso comum”, disse Melanie em entrevista ao site norte-americano Outside.

Responsabilidade compartilhada

Como seria possível uma pessoa que não pode enxergar e outra que não pode andar escalarem montanhas juntas? Depois de se unirem nessa jornada, Trevor e Melanie puderam mostrar ao mundo que eles também podem fazer o que quiserem. Melanie “anda” graças a um equipamento feito sob medida semelhante a uma mochila, o que permite que Trevor a carregue nas costas. Enquanto isso, Trevor consegue “ver” o caminho através das orientações de Melanie, que descreve muito bem ao amigo os terrenos e as paisagens pelas quais os dois passam.

Segundo Trevor, o que faz essa experiência ser mais incrível é o que ele chama de responsabilidade compartilhada. “Nós dois temos a mesma responsabilidade: se um de nós cai, o outro cai. Isso muda toda a dinâmica de se sentir um fardo”, contou em entrevista ao site The Trust for Public Land. Melanie também acrescentou que o fato de estarem ajudando um ao outro diminui o peso das dificuldades.

“Ele é as pernas e eu sou os olhos!”

Foto: Facebook/Hiking with Sight

Os amigos passaram a compartilhar suas experiências no Instagram e no Facebook, além de concederem entrevistas a muitos meios de comunicação que se encantaram por suas histórias. “Foi ótimo compartilhar nossa história com as pessoas, espero que isso incentive outras pessoas a tentar o que estamos fazendo, ou que pelo menos sirva para que alguém pense fora de qualquer caixa em que foi colocada. Isso mostra que realmente somos mais fortes juntos”, afirma Melanie.

Para Trevor, o prazer de estar no topo de uma montanha lhe dá um senso de propósito, mas tem algo que é ainda mais compensador: “A melhor parte é poder fazê-la sorrir”, disse ele em entrevista ao programa Good Morning America. A alegria de Melanie em poder caminhar pelas montanhas também tem um nome: a sensação de liberdade. A jovem afirma que ama poder se sentir livre para fazer o que gosta, deixando sua cadeira de rodas para trás. “Ele é as pernas e eu sou os olhos. Juntos, somos o time dos sonhos”. ***

Acho que nossas “reclamações do dia a dia” ficaram ao pé da montanha…rsrs. Há tanto para sonhar e conquistar, há tanto que temos a oferecer aos outros. Afinal, felicidade compartilhada tem outro sabor. Que tal compartilhar seus sonhos com o seu Criador e deixá-lo te conduzir por inteiro nessa caminhada? 

Não perca o último artigo da série sobre o Congresso FéMenina: Inteira. Pois vamos tirar o “salto do tapete fino” e pisar com os pés descalços na areia da obra de Deus onde fica um projeto chamado CAIS. 

Fabiana Silvestrini

 ¹ https://www.semprefamilia.com.br/ela-nao-pode-caminhar-e-ele-nao-enxerga-mas-juntos-escalam-montanhas/. Acesso em 12/09/19.