Minha história de amor- Patrick e Manuela Allebrandt

A nossa história de amor, assim como muitas histórias dos jovens da convenção pioneira, começou no ABP (Acampamento Batista Pioneiro).

Como todo ano, em 2013 estava eu em mais um Acamzeca (acampamento para adolescentes da Jumap), mas nesse ano eu estava diferente. Tinham acontecido muitas mudanças, principalmente na vida espiritual, eu havia decidido que meu foco estava totalmente em Deus, que eu iria para o acampamento, mas que eu não queria fazer nenhuma amizade, que eu aproveitaria o acampamento para aprofundar e crescer no relacionamento com Deus. E também, eu recém tinha começado a faculdade de direito, tinha decidido que 2013 seria um ano dedicação exclusiva a Deus e aos estudos.

Eis que então, o Patrick surge… ele já era conhecido da Eve/Veve (uma das minhas melhores amigas) então, por mais que eu não quisesse, acabamos nos conhecendo por intermédio dela, e tomamos alguns tererês juntos, porém, sem trocar nenhuma palavra.

Voltando do Acamzeca o Patrick me adicionou no facebook e veio querer puxar assunto, mandou vários “Oi tudo bem 😊?” e eu pensava “nossa que menino chato, não vou nem dar conversa, senão ele vai ficar no meu pé”. Eu já estava pensando que ele estava com segundas intenções (julgamento precipitado e errado) e era “mega” mal educada, visualizava e não respondia…

Então veio o congresso da Jumap, no qual eu participei apenas um dia. Chegando lá no congresso, adivinha quem eu encontro? O Patrick, sim ele estava lá e antes do culto da noite ele veio cumprimentar a Eve que era amiga dele e também era a minha companhia. Eles conversaram normal, eu porém, estava sentindo vergonha de não ter respondido ele no facebook, fiquei na minha. Fomos pro culto, acabou o culto e eu e a Eve estávamos morrendo de fome, como não éramos congressistas, não participamos da janta. O Patrick pagou um pastel, que era pra Eve e eu comi junto, e comecei a perceber que ele era uma pessoa legal.

Essa atitude dele me comoveu, mesmo eu não tendo respondido ele (ter sido mal educada) ele pagou um pastel pra nós e matou a nossa fome, eu fiquei me sentindo mal por ter feito aquilo com ele. Acabou a noite e eu fui para casa e acabou o congresso ele voltou pra casa dele, então uns dias depois eu chamei ele no facebook (morrendo de vergonha) e agradeci o pastel.

Depois disso, a nossa amizade cresceu muito, falávamos diariamente pelo Messenger do face, hoje eu fico pensando como tínhamos tantos assuntos para conversar (eram muitas horas de conversas mesmo). Nos tornamos amigos mesmo, eu percebi que o Patrick não tinha segundas intenções, que ele apenas queria ser meu amigo, e ele é um ótimo amigo. Mas, mesmo assim eu não contava pra ninguém da nossa amizade, eu sabia que outras pessoas não entenderiam e achariam que havia algo a mais do que simples amizade.

Até que um belo dia, numa das nossas conversas eu estava contando pra ele que eu tinha ido num PG (Pequeno Grupo) para mulheres e moças, e falei sobre o livro Mulheres na Bíblia que estávamos estudando (ótimo, super recomendo) sobre a lição de Sara, e aí eu disse pra ele  de como o livro apresenta a situação: muitas coisas que aconteceram de errado na vida de Sara e de Abraão, foi devido Abraão ser um homem passivo e não ter atitude, e que isso é muito comum, que os homens tendem a não ter atitude e não se posicionarem.

Então ele fez uma brincadeirinha comigo “Já que você disse que os homens não tem atitude, eu vou ter, quer casar comigo?” Meninas nessa hora, meu coração disparou eu acreditei na brincadeira dele e achei que era sério. Eu não sabia o que responder pra ele, porque nesse momento eu percebi que no meu coração havia a possibilidade de casarmos, ou seja, que eu já estava me interessando por ele. Daí eu disse “Não sei” e foi muito engraçado, porque ele estava brincando, e eu levei a sério e dei a entender a possibilidade de algo a mais pra ele.

Depois do mico que eu paguei, continuamos apenas amigos, o tempo foi passando e veio o Impacto Jumap 2013, que seria na minha cidade natal (Ijuí) na minha cabeça eu tinha feito mil planos de que iriamos conversar pessoalmente como no facebook, porém, tudo falhou devido a timidez do Patrick, ele passou fugindo de mim o Impacto todo.  Só um dia que ele veio conversar comigo quando eu estava com o pessoal da minha igreja sentada tomando tererê. Daí no último dia ele me mandou um whats que precisava me entregar uma coisa. Combinamos que seria depois do culto da manhã. Então ele me entregou a “coisa” que era um livro e saiu correndo de vergonha, e eu queria matar ele, porque ele e me deixou plantada com uma caixa na mão no pátio da igreja e mal falou comigo.

A partir desse momento, a nossa amizade foi revelada para as demais pessoas (todos perceberam que ele tinha me dado o livro) e consequentemente vieram as brincadeiras e perguntas sobre quando iriamos namorar. Então dia 07 de dezembro de 2013, depois de muitas tentativas, o Patrick conseguiu me perguntar se eu gostaria de orar com ele para saber se era da vontade de Deus que aprofundássemos nosso relacionamento de amizade, para não ficarmos criando expectativas um no outro que não seriam reais.

Então, seguimos orando separadamente, mas continuamos nos falando como amigos. Veio 2014 e o congresso da Jumap também, nós dois fomos e lá no congresso ele me pediu em namoro. Foi emocionante e lindo, mas eu coloquei uma condição, de que ele deveria falar com meus pais (detalhe: ele nunca tinha visto/falado com meu pai e minha mãe), no outro dia meus pais foram lá no congresso e concordaram com o namoro. A partir desse momento começamos a namorar (04/03/2014), foram 2 anos 10 meses de namoro, muitos km entre Ijuí e Nova Santa Rosa (cidade dele), muitas horas dentro de ônibus. Hoje lembramos com amor e alegria esse tempo, namorar a distância não é fácil, mas quando Deus está no controle podemos descansar e confiar que tudo que Ele permite e faz é para nosso bem. Cresci muito nesse tempo, aprendi a controlar a ansiedade, confiar e depender do Senhor!

Então, em 2016, recebemos uma proposta de trabalho no Piauí, e como eu já estava me formando, oramos e entregamos para o Senhor, que nos confirmou que era da Sua vontade que enfrentássemos esse novo desafio.

Casamos 14 de janeiro de 2017, não foi um dia fácil, pois no mesmo dia faleceu o nosso grande amigo e que seria padrinho do nosso casamento Cristian. Nesse dia podemos experimentar do amor do Pai e da Sua paz que excede todo o entendimento, assim como sentimos o carinho e o cuidado dos irmãos conosco, tantas pessoas orando e nos consolando. Recebemos diversas mensagens mas a que mais me tocou foi “Grandes guerreiros são feitos no calor das maiores lutas, os metais preciosos são purificados em altíssima temperatura”. Não sabemos o motivo pelo qual Deus levou o Cristian no dia do nosso casamento, e nem cabe a nós sabermos, mas confiamos que Ele fez o melhor, por mais dolorido que tenha sido para nós, para os pais do Cristian, enfim para todos os familiares e seus amigos.

Dia 21 de janeiro começamos a nossa vida nova no Piauí, agora casados, longe de nossos familiares e amigos. Mais um desafio, mas a mão do Senhor tem sido nosso sustento todos os dias, Ele acrescentou amigos/irmãos que cuidam de nós aqui, acrescentou uma nova igreja e tem nos dado do Seu melhor, como diz no hino:

“Conta as bênçãos, conta quantas são. Recebidas da divina mão. Uma a uma, dize-as de uma vez, Hás de ver surpreso quanto Deus já fez.Cantor Cristão

Somos gratos a Deus por tudo que Ele fez e ainda fará em nossas vidas, temos a certeza que teremos muitas dificuldades e muitas alegrias pela frente, mas seguimos caminhando juntos na presença do nosso Deus, sustentado pela Sua forte mão e fazendo a vontade dEle.

Então, esse é o início da nossa história de amor, que foi escrita por Deus!

Beijão, Manu.

 

(Visited 449 times, 1 visits today)
Posted in Minha história de amor.

Gostou do post? Deixe seu comentário :)