Minha História – Ana Paula

Sou Ana Paula, 30 anos, com formação em Psicopedagogia, residente em Salvador, no estado da Bahia. Sou casada há 4 anos, com o Fernando e juntos somos em 4, nós dois e dois filhos. Neta, Filha, Sobrinha, Prima e Irmã de Pastor, batista desde sempre e hoje, não somente “esquenta banco”, “integrante do clube social cristão”, mas sim, atuante e firmes nos caminhos do nosso Deus, gostaria através deste post, além de me fazer conhecer, escrever o resumo da minha história de vida…

Por alguns meses Deus tem me incomodado a declarar e expor mais a minha história, esta que muitos dizem que deveria ser disseminada para edificação. Por muito tempo relutei, mas hoje decidi escrevê-la, crendo que de alguma forma ela possa abençoar ou, sendo plano do Pai, ser exposta a mais pessoas.

Como já disse acima, me chamo Ana Paula e hoje faço parte de uma família cristã e de muitos pastores, mas apenas por planos divinos, não biológicos sociais, pois sou adotada. Fui adotada com somente 3 horas de vida por essa família Marques Hubner, a qual carrego nome e sou muito feliz e grata. Minha mãe, Jussara Marques Hubner, esperou e me gerou em seu ventre emocional, por 3 anos.

Me recordo de muitos momentos felizes, cheios de amor em minha infância, essa vivida no interior da Bahia, na cidade chamada Jaquaquara,onde meu pai Pr. Arno Hubner foi pastor por muitos anos. Lá eu vivi 9 anos. Sou natural de Poções, também na Bahia.

Lá vivi anos incríveis e fiz amizades que até hoje fazem parte da minha vida. Lá cresci, conheci o que era igreja, Jesus. Com uma vida de filha de Pastor, fui criança e adquiri bagagens emocionais, heranças intocáveis da plena e linda educação que meus pais me deram. Enfim, lá comecei a vida… e lá também, desde bem pequenininha, com muito amor e sabedoria, soube que era adotada.

Aos 9 anos de idade o meu pai entendeu de Deus, que estava no momento de partir para uma outra atividade no reino e esta foi a de gerir a convenção batista baiana, como secretário geral, com sede em Salvador. Hoje, meu pai é Pastor em uma comunidade no subúrbio de Salvador, Paripe, na Igreja Batista Pérola dos Mares, a qual meu esposo (Fernando), nossos filhos, Pedro Henrique (5 anos) e Maria Fernanda (2 anos) e eu somos líderes do Ministério de Missões, eu no Ministério Infantil e meu esposo no Ministério de Música. Mas nem sempre foi assim…

Aos 13 anos, já em Salvador, com uma certa autonomia e credibilidade para exercer a responsabilidade de saídas do tipo ir a escola de ônibus, começaram também as más escolhas, más amizades, envolvimentos desconexos na escola, em atividades que fui instruída a não estar. Começaram as mentiras, relacionamento, este que havia um acordo que somente a partir dos 15 anos e mesmo presente na igreja todos os domingos, deu-se o inicio do afastamento de Deus, já que igreja, era para mim naquele momento, a forma de manter menos ruim a relação em casa, alívio da consciência, até mesmo fuga, manter uma certa imagem e como justificativa, usava que eu era carente, não era amada igualmente, que me sentia rejeitada… Tudo desculpas partindo da adoção. Hoje entendo que só podia ser mesmo, artimanha do inimigo, que usou em mim a área que de fato, não estava bem resolvida, para me deixar vulnerável e rebelde, algo que hoje entendo e vejo que não tinha razão de ser, já que sempre fui e sou muito amada.

Passaram-se anos…. Neles atingi o fundo do poço. Dos meus 13 aos meus 24 para 25 anos, me afastei de vez da igreja e consequentemente de Deus e então minha vida foi de pecados… Bebida, farras, relacionamentos sexuais, mentiras e mais mentiras, afastamento da família, prejuízo no ministério dos meus pais, revolta, brigas, anos difíceis. Aparentemente para mim, até então ótimos, mas meus pais e irmãos sofreram muito, ainda assim para mim, ninguém importava, a promiscuidade e mentiras se mantinham e eu acreditava ser o máximo tudo aquilo.

E então, anos se passaram, me apaixonei por um rapaz, este que namorei de 2010 a 2011, não aprovado por meus pais, mas foi aí que as coisas começaram a mudar, o rapaz era também de farras e bebedeiras, mas era um rapaz, que me fez querer viver de outra forma, mesmo sem ele saber, pois aparentemente ele seria a gota para me afundar ainda mais, mas não, por ter me apaixonado, já não queria estar em tantas farras e bebedeiras, queria estar com ele. Por 1 ano, vivemos um namoro aparentemente bonito, normal, mas ainda sim com relações sexuais e sem a aprovação dos meus pais, me deixou mais calma, tanto que decidi não estar todos os finais de semana em festas e voltei a acordar cedo aos domingo e ser a primeira pessoa a ficar pronta para ir a igreja.

No início, o respectivo namorado, me acompanhava, mas não durou muito, ele começou a estar em farras e bebedeiras sem mim, começaram as traições, dores e muitas lágrimas, mas ainda assim eu queria estar com ele, mas em mim algo havia mudado, as sementes adquiridas, as palavras e orações dos meus pais, estavam tomando forma em mim, a ponto de me fazerem ter coragem de pedir socorro aos meus pais e me derramar diante deles. Choramos juntos, só que eu ainda estava ligada ao rapaz e em uma das nossas discussões, na reconciliação, ainda muito apaixonada, cedi, nos relacionamos mais uma vez e nesta, engravidei. Que dor! Só pensava, E AGORA?

Decidi ter e enfrentar as consequências, mas a dor era ainda maior, 2 semanas antes de descobrir que eu havia engravidado, eu tinha decidido terminar o namoro, mesmo ainda apaixonadíssima, decidi ouvir o conselho dos meus pais. Ainda escondi a gravidez de todos por 1 mês, até que foi inevitável, enjoos, barriga aparecendo, tive que contar. E então meu tratamento começou. Mesmo com muita dor, choro, a restauração havia dado início.

Sob total orientação dos meus pais, já que a rebeldia havia sido vencida, segui os passos coerentes nessa situação, cuidados médicos e encontrei o pai do bebê para contar. Naquele momento ele não quis saber e a minha dor foi quase insuportável. Ah! Como chorei e sofri por muitos dias, mas com a graça de Deus e apoio de toda a minha família, fui vencendo cada dia, fui também submetida a disciplinas em casa, assim como na igreja e em amor e obediência aos meus pais, cumpri cada etapa e em tudo vendo o tratamento de Deus, o amor DELE e como tudo estava se encaminhando bem.

Mas em mim uma dor que não cessava, o sentimento de culpa muito forte, a vergonha e a enorme dor pelos meus pecados me fizeram pensar em me matar por 3 vezes, mas Deus me livrou e me mostrou o seu cuidado. Porém o inimigo não parava, trouxe ao meu coração, o sentimento de rejeição, só que dessa vez pela gravidez, mas com muito clamor meu e dos meus pais e da igreja, isso foi sanado e transformado em muito amor até que o grande dia chegou.

Dia 08.02.2012, PEDRO HENRIQUE nasceu e o amor transbordou em mim e ali nascia também uma nova mulher, e posso dizer que Deus falou na minha vida através daquele momento. Nascia ali a dor de ser mãe solteira, mas dessa vez transformei em força, determinação e segurança, e o mais encantador, nasceu em mim a CURA que eu tanto almejava. Pela primeira vez, ME AMEI E DE FATO ME PERDOEI E ME DERRAMEI AOS PÉS DO SENHOR… Ali de fato, aceitei a JESUS como meu Salvador.

Meninas, que sensação indescritível. Apenas chorei muito… Dizem que chorei por volta de 1 hora e o extraordinário de Deus aconteceu, entendi com clareza a minha adoção e compreendi os planos de Deus em minha vida. A sensação de que eu era suja, sentimento que eu carregava desde a infância, havia saído de mim e então somente louvei, naquele momento cantei… “então minha alma canta a ti Senhor, grandioso és tu, grandioso és tu…” Então, ali mesmo, meu Pai consagrou Pedro Henrique e eu ao Senhor. Fizemos de fato um culto, foi algo maravilhoso. O parto foi ótimo e logo já estávamos de volta para casa. Mas então um novo dilema, e a certidão? Pedi que meus pais decidissem e após orarem por 2 a 3 dias, conversamos e eles me orientaram a entrar em contato com o pai do Pedro e isso fiz, ele prontamente em menos de 10 minutos estava em minha casa e segurou o filho e disse: vou registrá-lo e assim foi feito e para mim, foi uma grata surpresa.

Aos 5 meses de Pedro, ele começou a só aparecer de vez em quando, até que após os 8 meses, já que eu decidi que não namoraríamos, por ele não ter pretensão alguma em conhecer a Jesus (jugo desigual), eu não queria e meus pais não aprovariam. Então ele sumiu de vez e eu havia expressado que a partir daquele momento, só namoraria para casar e só se fosse mesmo como um milagre e os meus pais me diziam, confie e ore, Deus está à frente e irá continuar nos surpreendendo, que eles iriam nos apoiar e eu iria retomar a pós graduação, iria buscar um bom emprego e iria seguir a minha vida e me pediram que descansasse em Deus e em Seus planos, pois em Seu tempo, o milagre chegaria.

Uma semana depois, fui convidada para ir a um Eu Escolhi Esperar, que ocorreu na Igreja Assembleia da Liberdade, aqui em Salvador. Lá fui impactada imensamente, chorei muito aos pés do Senhor, pois ali fui curada de outras coisas. Ele me tratou por inteiro, literalmente. Ele determinou em minha vida que as coisas velhas já passaram, eis que tudo se fez novo, e neste momento entendi a fala dos meus pais, que eu podia sim ainda ser feliz, casar, ter alguém especial ao meu lado, pois eu também era muito especial e estava nova, tratada para amar e ser amada por alguém, por completo.

E então a surpresa dEle chegou. Novembro de 2012 e 9 meses de Pedro Henrique. O filho de um casal de amigos dos meus pais que há anos não se viam (nos conhecemos ainda na infância), havia vindo a Salvador passear e conhecer algumas redes missionárias com um amigo Pastor, que havia ido ao Chile no ano anterior para uma conferência missionária. Então, ele já aqui em Salvador, lembrou de uma visita de uma tia minha ao Chile e que havia comentado sobre nós e que morávamos em Salvador, então conseguiu o nosso contato e meus pais marcaram um lanche com ele aqui em casa.

Nossaaaaa…. que dia especial! Eu preparei tudo. Quando ele chegou, eu estava na parte de cima de casa, havia terminado de dar banho em Pedro e fui também me arrumar, ao descer, meu pai já havia pegado o Pedro, desci e pareceu amor à primeira vista, ambos, algo Divino mesmo. Em sua primeira semana em Salvador, me pediu em Namoro e determinou que casaríamos, assim antes de ir embora, chamou meus pais para conversarem e pediu a minha mão em namoro e então começamos, porém ele foi embora…. Algumas lutas até que nos encontrássemos de novo, questionei a Deus se esse meu namoro com Fernando deveria continuar… Quantas dúvidas, mas dessa vez as minhas dúvidas eram sanadas em oração e na busca da palavra diária. Deus usava os meus pais diariamente para ministrar sobre a minha vida.

Em Janeiro de 2013, nas férias da família Marques, ele foi. Ali vi a mão de Deus mais uma vez, e de fato selamos o nosso compromisso, entendi claramente os planos de Deus e ali, acredito que pela primeira vez, senti borboletas no estômago, o amor havia chegado para mim, o que meus pais haviam me dito estava acontecendo… Ali, ele me pediu em casamento, selamos mais esse compromisso. Em maio do mesmo ano fui ao Chile com a minha mãe para o nosso noivado e para que eu pudesse estar com a família dele. Lá passamos 15 dias, estes MARAVILHOSOS!

Previamente, havíamos marcado o casamento para Janeiro de 2014, mas no mês de Junho, Fernando e eu sentimos que não era mais para esperar tanto, conversamos e decidimos casar em Setembro do mesmo ano, conversamos com a nossa família e tudo se ajustou divinamente e no dia 21 de setembro de 2013 nos casamos.

Logo após, fomos morar no Chile, lá engravidei da Maria Fernanda, mas por algumas dificuldades de adaptação minha, Fernando decidiu que voltaríamos para o Brasil e assim fizemos. Estamos aqui há quase 4 anos, temos passado por muitas lutas, desde que chegamos no Brasil de volta, nós dois não conseguimos emprego e temos vivido de aulas particulares, vendas, meus pais nos apoiando muito e como sempre, Deus não nos deixa faltar nada. Ele sempre Fiel! Agora estamos para começar a trabalhar com o UBER e eu estou fazendo uma nova pós para ano que vem voltar para o mercado de trabalho, já que em acordo, decidimos que eu investiria no cuidado com as crianças e ele fazendo uma nova faculdade – Letras vernáculas com Espanhol, para lecionar, já que a sua formação atual, Comércio Exterior, desde que voltamos, não tem conseguido onde trabalhar.

Hoje, vivemos bem, mesmo com todas as dificuldades, vemos a mão de Deus em nossas vidas diariamente e todos os dias buscamos nEle respostas, já que muitos nos falam que Deus quer nos falar algo que não estamos escutando através dessa provação financeira. Muitos nos falam de ministério, mas até então, Deus não tem nos falado diretamente, sabemos que temos uma grande missão, mas confesso que ministério Pastoral em si, ainda não ouvimos, mas sim amamos trabalhar com Jovens e Adolescentes, mesmo que atualmente não estejamos a frente desses na igreja e também amamos MISSÕES. Onde estamos aconselhamos e falamos de Cristo, meu esposo é um carisma total, mesmo sendo calma, por onde ele passa conquista pessoas e ganha almas para Jesus. Temos uma visão, onde formos sermos benção e por onde passarmos as nossas vidas impacte outras e estes tenham suas vidas transformadas.

Começo um novo parágrafo, para expressar um pouco o capítulo da minha adoção… Eu sempre soube que era adotada, mas somente após muitas provas e após o Pedro ter nascido, decidi enfrentar essa situação, já que 1 ano antes, uma sobrinha minha biológica havia me achado no face, então a partir daí, eu tinha como me aproximar deles, mas confesso que resisti. Até que veio o Pedro e ele com 7 meses, fui ser madrinha de uma grande amiga, em uma cidade – Poções e, em acordo com meus pais, decidimos dar este passo e conhecer a minha família biológica.

E assim foi… O nosso Deus é mesmo surpreendente, chegamos lá e o amor emanou em todos os momentos. Fomos recebidos com um almoço maravilhoso e ali nos perdoamos e conversamos por horas, assim percebi que era também muito amada e esperada por aqueles ali e pude perceber o quanto Deus me ama. Desde lá, em que fizemos o primeiro contato, nunca mais deixamos de nos falar.

Mas o mais difícil de tudo isso, foram algumas descobertas da minha história, a revelação do porque da dor e da rejeição que eu sentia. Sou fruto de um estupro, minha mãe biológica sofreu muito, me rejeitou no início e foi ameaçada de morte se não me tirasse, então teve que sair de Poções e passar os quase nove meses em uma roça de familiares e deu a luz na cidadezinha próxima e de lá, sem nem ela decidir de vez se me doaria ou não, fui tirada do seu colo e entregue a uma tia que recebeu dinheiro para que isso ocorresse,  então ela, por anos sofreu com a minha ausência.

Mas Deus fez os planos perfeitos, pois as condições que ela tinha eram bem precárias e além de tudo, com o estupro e gestação difícil ficou bem debilitada e além disso, para não ser morta ou sofrer na mão de quem a estuprou, teve que viver anos escondida. Mais uma vez a mão de Deus sobre mim. Mas anos depois, pudemos nos abraçar, nos perdoar e de alguma forma, sentir o amor que tivemos há 30 anos atrás quando sai de seu ventre.

Choramos juntas, almoçamos juntas, pude estar com ela. Hoje ela está bem doente, estive no fim do ano passado em Poções, pude cuidar dela, dar banho, fazer uma comidinha para ela, pentear seus cabelos, levá-la para passear, mas agora não se lembra de muita coisa, pois está com Alzheimer, mas até isso Ele permitiu, ainda lembrar de mim. E hoje, se ela se for, poderei me despedir dela em paz e sabendo que ela se sentirá completa, pois os meus irmãos me disseram que ela pedia sempre que antes de ir, queria poder me olhar nos olhos e dizer que me amava.

Eu ajudo como posso e estou sempre em contato, mas o que mais fico grata é que na última vez que fomos lá, Fernando e eu, pudemos explanar o plano de salvação e em dezembro, uma das minhas cunhadas, enfrentou um momento difícil no seu casamento e para apoiá-la, meus pais do coração, me permitiram que eu a trouxesse para cá e ela estivesse conosco no Natal.

DEUS É OU NÃO MARAVILHOSO?! FANTÁSTICO!

Ahhhh, somente dois detalhes para concluir, Deus me deu duas família iguais, em Poções tenho 3 irmãos e sou a mais nova e aqui tenho 3 irmãos e sou a mais nova, tenho 6 lindos irmãos. E em relação a Fernando, ele adotou Pedro em seu coração, até disso Deus cuidou, encheu o coração de Fernando com um amor enorme por Pedro desde o primeiro dia que se viram e eles se amam muito e se dão muito bem.

Espero que minha história possa edificar sua vida.

Que a graça, misericórdia, o amor e a fidelidade de Deus seja com cada uma de vocês, hoje e sempre.

Grande Abraço.
Ana Paula Marques Hubner Inostroza

(Visited 132 times, 1 visits today)
Posted in Edificadas.

Gostou do post? Deixe seu comentário :)