Grata – que esta seja a minha melhor versão.

Reading Time: 4 minutes

Você se considera uma pessoa grata?

Te convido a pensarmos juntas sobre uma pessoa grata. Para isso, antes de partirmos para essa reflexão quero que você pense comigo sobre uma das coisas que fazem parte do universo feminino e masculino: perfumes. Você gosta de perfumes? Há quem goste de perfumes adocicados, outros preferem os cítricos ou amadeirados.

Pode-se dizer que os perfumes fazem parte da categoria “livre escolha”, pois as pessoas têm gostos diferentes e podem ter preferências distintas com tranquilidade. Mas é fato que perfumes podem causar duas reações nas pessoas: aceitação ou rejeição.

O perfume agradável ao invadir o ambiente desperta a mais alta curiosidade de quem chega no lugar: ele atrai, traz alegria, desperta o desejo de permanecer no ambiente, pois dá a sensação de bem-estar. Já, o perfume ruim, desperta as piores reações: dá enjoo, faz as pessoas abrirem as janelas, gera afastamento, repulsa e incomodo. Mas o que os perfumes têm a ver com o título deste artigo?

Mais do que você imagina. Quer saber o porquê? Então, vamos lá: O perfume agradável pode ser comparado a uma pessoa grata que alegra e contagia o ambiente com sua presença, pois seu coração é cheio de gratidão. Ela é agradável como um bom perfume, o relacionamento com ela é leve e suave. É do tipo fácil de conviver e repartir a vida.

Já uma pessoa ingrata, que pode ser comparada ao perfume ruim não é assim, do tipo fácil de conviver, parece que há insatisfação em todos os detalhes de sua vida. Sem falar que faz da reclamação a sua melhor amiga. Nada está bom. Nunca está bom. Onde ela chega gera mal-estar, e sem que perceba, as pessoas começam a afastar-se dela. Sua aparência até pode ser bonita, mas sua essência amarga é logo percebida.

Se eu te convidasse a comparar-se com um perfume, “com qual dos dois você pareceria? Com o perfume bom ou com o perfume ruim? É preciso sinceridade para avaliar o coração. Deixe-me ajudá-la a refletir melhor:

COMO É O CORAÇÃO GRATO:

  • Não reclama sem parar;
  • Consegue ser feliz na simplicidade;
  • É critico construtivamente;
  • Entende e percebe o cuidado de Deus manifesto através das pessoas que investem em sua vida. Ele lembra de onde saiu e reconhece que é fruto do investimento e ajuda de alguém;
  • É flexível.

COMO É O CORAÇÃO INGRATO:

  • Nunca está satisfeito – reclama de tudo;
  • É altamente crítico – a comida nunca está boa; os amigos nunca são leais o suficiente, a igreja é fria ou avivada demais;
  • Não reconhece o investimento de outras pessoas em sua vida.

E aí conseguiu analisar de que lado você está? Muitas vezes, sem percebermos, estamos desenvolvendo características de uma pessoa com um coração ingrato, por isso precisamos avaliar nossos corações e modificarmos esses hábitos considerados inocentes, mas que podem endurecer o coração.

Para ajudar nessa avaliação do coração, pense na história dos 10 leprosos que está em Lucas 17. 12-20.  Certo dia, 10 leprosos avistaram a Jesus quando ele estava indo para Jerusalém e gritaram pedindo que tivesse piedade deles. Ao ouvi-los, Jesus deu uma ordem a eles: “Vão mostrar-se aos sacerdotes” (Lucas 17:14), enquanto iam em direção ao sacerdote perceberam que estavam curados.

O final da história parece óbvio: os homens caíram aos prantos de tanta alegria e voltaram com o coração quase saindo pela boca para agradecer a Jesus e depois voltaram para suas vidas normais rever as pessoas que amavam afinal de contas, não era nada fácil ter lepra naquela época, pois os leprosos tinham que deixar suas famílias, viviam afastados de tudo e todos, eram considerados impuros. Certo? Eles voltaram para agradecer a Jesus?

Errado! O triste da história é que o final não foi esse. De dez curados, apenas um teve atitude de gratidão e exalou o bom perfume – um entre dez voltou para agradecer a Jesus pelo milagre. Apenas um, reconheceu que Jesus tinha participação total na nova vida que teriam dali para frente. E o interessante é que essa história pode produzir questionamentos em nossos corações, do tipo: “como puderam ser tão ingratos? Olha o que Jesus fez nas suas vidas! Quanta arrogância! Quanto desprezo. ”

Mas será que em nossas vidas, muitas vezes, não nos comportamos como aqueles nove “ex leprosos” e deixamos a ingratidão e insatisfação invadirem nossos hábitos e perdermos a oportunidade de termos outras experiências com Jesus? Ele quer nos dar lições mais profundas, mas não paramos para agradecer e conversar com ele.

Perceba que o único “ex leproso” que teve a cura espiritual foi o que voltou. Os outros, foram curados fisicamente naquele momento, uma cura do corpo, não espiritual; Já o que voltou, recebeu a experiência mais profunda possível, a cura espiritual, pois Jesus lhe disse: “Levante-se e vá; a sua fé o salvou” (Lc 17:19).

Pense na ilustração do início deste texto, pense nos perfumes, e nos nove leprosos que exalaram o perfume da ingratidão. Ficaram tão contentes com a cura física, mas esqueceram de agradecer o autor do milagre. Se tivessem sido gratos, teriam conhecido Jesus de maneira diferente. E você? De que lado está? Não seja como os nove “ex leprosos” que exalaram o perfume da ingratidão, seja como o único curado que voltou agradecer a Jesus e exale o perfume da gratidão; seja grata!

Ps: Qual é seu perfume preferido? Seja como ele: por onde for exale a gratidão <3

(Visited 108 times, 1 visits today)
Posted in Datas comemorativas, Edificadas.

Gostou do post? Deixe seu comentário :)