CANTE

Reading Time: 2 minutes

Salmo 96. 1-13

Dias atrás compartilhei no Facebook um vídeo que se tornou viral (não por minha causa claro….rs): Uma menininha apresentando na igreja com outras crianças a música “Old Church Choir” do músico Zach Williams (Sim…pode crêr que estou ouvindo ela neste momento…rs). Assisti muitas e muitas vezes esse videozinho, não somente pela atitude da menininha em cantar com toda a empolgação a música o tempo todo, mas na letra da música que é uma grande verdade.Leia mais…

Espelho

Reading Time: 3 minutes

Texto bíblico para ler: Tiago 4. 11-12.

“Irmãos, não falem mal uns dos outros. Quem fala contra o seu irmão ou julga o seu irmão, fala contra a Lei e a julga. Quando você julga a Lei, não a está cumprindo, mas está se colocando como juiz. Há apenas um Legislador e Juiz, aquele que pode salvar e destruir. Mas quem é você para julgar o seu próximo?” (Tg 4.11-12)

Espelho, espelho meu, existe alguém no mundo melhor do que eu? Não arrisco a versão mais conhecida desse diálogo (mais bonita do que eu?) porque no mundo real muitas mulheres têm uma autoestima tão baixa que se perguntassem isso ao seu espelho, responderiam elas mesmas que mais bonitas são todas as demais. Encontrando várias comprovações, de imediato, para validar a afirmativa apenas olhando no espelho.Leia mais…

Correr…

Reading Time: 3 minutes

Leia o texto bíblico: João 4. 6-30

… e ela deixou seu jarro e correu.

Somos tomadas por desejos, todas nós. Temos algo que precisa ser saciado, uma sede legítima, seja por algo concreto ou por sentimentos. A mulher que conhecemos como “Samaritana” (João 4) era como nós. Ela tinha sede. Estava indo ao poço aquele dia. No caminho, esperava chegar logo ao destino para saciar sua sede, pois fazia um calor escaldante. Mas, ela trazia consigo mais que um corpo sedento por água. O jarro vazio era leve comparado ao peso de sua culpa e vergonha, afinal, ela já havia bebido dos “poços ilícitos” do romance e do sexo e havia ficado marcada.

Quem a olhava via uma mulher suja, sem recato, sem moral, sem conserto. Então, a vergonha lhe deixou sozinha ao sol do meio-dia. Vagando em seus pensamentos, talvez pensasse no que havia de errado com ela, pois, apesar de estar em um novo relacionamento, não se sentia completa, continuava com a alma sedenta pedindo por mais amor, e mais, para sanar também a dor. Elogios, carícias, presentes serviam como pequenos goles, como gotas, mas ela precisava de mais, de um amor que aquele novo marido não poderia lhe dar. O poço dele também já estava secando, e no fundo havia apenas lodo. Seria ela mais uma vez abandonada? Talvez, já estivesse fantasiando estar bebendo de outro “poço”. Ou, lhe parecia a única saída abandonar tudo à procura de um novo “poço”. Leia mais…