Pocura-se um rei

Procura-se um rei

 

Um dos textos bíblicos mais citados ao falar sobre mulheres é o de Provérbios 31, uma exortação para o Rei Lemuel feita por sua mãe. Sei que você escuta muito sobre a segunda parte, falando sobre a mulher que Lemuel deveria procurar como esposa. Porém, quero falar sobre a primeira parte do texto e como ela pode nos guiar na escolha do nosso futuro marido. Outro dia mesmo escutei um comentário de que as garotas com 15 anos fazem listas enormes de como querem seus futuros maridos mas, com o passar dos anos, essa lista vai diminuindo cada vez mais.

Não que o tamanho da lista de requisitos seja importante, a questão é o que estamos considerando nas nossas listas? Será que estamos cada vez mais rebaixando nossas escolhas por desespero ou medo de ficarmos sozinhas? Em qual base formamos nossos critérios? A Palavra de Deus é o que direciona nossas vidas e, ainda mais em uma questão tão importante, ela deve ser a nossa base. Então o que quero fazer aqui é levantar alguns pontos, a partir dos conselhos da mãe de Lemuel, de como a Bíblia nos ajuda a estabelecer critérios na escolha do crush. Pegue sua Bíblia e vamos começar nossa conversa.

 

Ter a maturidade de um líder

Uma coisa que a mãe de Lemuel frisa em seus conselhos é de como um líder deve agir (Pv 31:1-9). Ela estava falando para o futuro rei, o preparando para a grande responsabilidade de governar o país e nós devemos lembrar que nosso futuro marido terá a responsabilidade de nos guiar e liderar, como também a nossos futuros filhos, estamos escolhendo quem será o cabeça de nossa futura família (Ef 5:23-24). Este é o papel que Deus designou para o marido e, ao escolher alguém para nos relacionar, devemos pensar primeiro se ele cumpriria este papel, é a escolha de um homem, não de um menino.Ser um homem não é apenas ter mais de 18 anos, ter barba, trabalhar, ter um carro, mas sim ter maturidade no agir. Ser homem é largar as coisas de menino, não pensar mais como uma criança (1 Co 13:11). Não que homens não possam gostar de video-games, heróis, jogar bola ou qualquer coisa do tipo, mas as suas atitudes, sua postura, devem refletir maturidade.

Um exemplo de homem-líder é o de Neemias (Ne 4:4-23), ele era organizado, tomava para si a responsabilidade e agia debaixo da vontade de Deus. Considere, ao escolher alguém para se relacionar, como ele guia a própria vida, se ele é prudente em suas decisões, buscando sempre a orientação de Deus ou se toma decisões precipitadas e impulsivas, pois da mesma forma ele guiará a você e sua família no futuro. Pense, ao escolher alguém para se relacionar, se ele saberá guiar sua família, se ele terá sabedoria e buscará em Deus como guiar a vida familiar.

Não quero dizer que seu futuro marido irá ditar cada um dos seus passos, autoridade e autoritarismo são coisas bem diferentes. Um homem-líder irá observar suas qualidades, suas dificuldades, suas limitações, seus pontos fortes e fracos e, te conhecendo, ele irá te impulsionar, exortar e apoiar em sua vida espiritual. Neemias não tentou empurrar a responsabilidade para outros, ele assumiu trabalho, colocando tudo em oração e encorajando os seus. Neemias entendeu seu propósito. Procure um rapaz que também entenda o seu papel e propósito como marido.

“A liderança não é assumir uma posição para sua própria glória, mas para servir os propósitos do evangelho de Deus.” – Carolyn McCulley

 

Ter a postura de um rei

Outro ponto que a mãe de Lemuel ressalta nos versículos 3 e 4 é o comportamento que ele deveria ter, sua postura. Paulo, em sua segunda carta para Timóteo, fala sobre como ele deveria agir, fugindo dos desejos da juventude e seguindo a justiça, a fé, o amor e a paz (2 Tm 2:22). Esse rapaz com quem você tem conversado ou tem olhado com mais atenção demonstra seguir as mesmas coisas que Timóteo deveria seguir? Observe isso em suas conversas, nos seus posts, na forma como ele age e como trata as pessoas.

A mãe de Lemuel fala para ele não gastar sua energia, seu vigor com mulheres. Trazendo esse conselho para nós, observe a forma como ele trata outras garotas. Paulo também diz a Timóteo que ele deveria tratar as moças como irmãs, com toda pureza (1 Tm 5:1). Um rapaz que está sempre flertando, namorando uma garota atrás da outra demonstra imaturidade, irresponsabilidade com os sentimentos de outras pessoas e que ele pode se cansar de você, assim como fez com as outras. Nunca espere que você irá mudá-lo, apenas Deus pode fazer isso, se ele deixar ser moldado por Ele (Rm 12:1-2). Então fique de olho em como esse boy se comporta com as menininhas por aí.

 

Viver uma vida justa

O homem que preenche nossos requisitos deve ter a postura de um rei e o coração que busca a justiça. A mãe de Lemuel o adverte para não ter desejo pela bebida alcoólica para não se esquecer das leis e deixar de fazer justiça aos oprimidos (Pv 31:5-9). Lemuel teria como dever, ao se tornar rei, zelar pelo seu povo, sua prioridade era o reino, estabelecer a justiça e não satisfazer seus desejos. O rapaz com quem você irá se relacionar, na condição de filho de Deus e co- herdeiro do Reino de Deus (Ef 1:5-14), também deve ter como prioridade em sua vida zelar pelo Reino e não os seus desejos e vontade. O próprio Jesus diz para nós que devemos buscar primeiro o Reino de Deus e a sua justiça (Mt 6:33).

Quais são os objetivos de vida desse rapaz? O que ele tem como prioridade? Não é errado ele buscar crescer em sua carreira ou algo assim, mas observe se viver para sua vontade e prazer são suas prioridades ou buscar o Reino de Deus, vivendo de forma justa e cuidando dos interesses de outros. Ele tem compaixão e misericórdia pelas pessoas?

“Nada façam por ambição egoísta ou por vaidade, mas humildemente considerem os outros superiores a si mesmos. Cada um cuide, não somente dos seus interesses, mas também dos interesses dos outros. Seja a atitude de vocês a mesma de Cristo Jesus.” Filipenses 2:3-5

 

Viva como uma princesa

“Mas, Lari, você não sabe como é difícil!”, “Lari, onde é que eu vou achar um homem perfeito?”. Meninas, quem tá falando com vocês é uma solteira! Eu sei que não tá fácil para nós, mas nós temos que ter um padrão alto. Nós como filhas de Deus, princesas do Reino, mulheres que buscam ser virtuosas, não podemos aceitar qualquer coisa. Saiba seu valor e não aceite menos que isso! Você vai encontrar um homem perfeito? Não, nem eu vou. Assim como eu e você temos defeitos e falhas, nossos futuros maridos também terão as suas. Porém esses critérios são essenciais, talvez o rapaz não os cumpra com perfeição, mas tenha certeza que ele os tenha como ideais. E, enquanto não encontra esse rapaz, não deixe que outros brinquem com seus sentimentos e deixem marcas em seu coração.

Busque você também o Reino de Deus, trabalhe as características da mulher virtuosa (Pv 31:10-31), não fique ansiosa, mas ore e apresente a Deus todos os seus pedidos (Fp 4:6), entenda o seu propósito e sirva. Se um dia você e eu iremos casar aqui na terra eu não sei, apenas Deus sabe e sua vontade é sempre perfeita (Rm 12:2). Se a vontade de Deus para ti for ser solteira, alegre-se nele e viva para o Reino, mas se for para que case, tenha a certeza de escolher alguém que irá, junto contigo, viver para o Reino de Deus.

Larissa de Lana


Referências

McCullyn, Carolyn. Feminilidade Radical: Fé feminina em um mundo feminista.
Editora Fiel, 2017.

E se Deus quiser que eu me case com alguém feio? por Stacie Reaoch em
Doxologia viva (acesse aqui)

Mulheres da Bíblia por Lis Daiane em LisLand
(acesse aqui)

Procura-se um marido por Heidi Berder em Projeto Puritanas
(acesse aqui)

mudança de hábitos

Mudança de hábitos

Olá FéMeninas!

Se você é amiga íntima da preguiça como eu, mas gostaria de desenvolver mudança de hábitos (passar mais tempo lendo a Bíblia? Orar com mais frequência? Se dedicar mais à leitura de outros livros? Aprender um novo idioma?), continue lendo este texto, porque eu vou te dar algumas dicas de como fazer isso.

Mas primeiro é importante responder a pergunta: Por que os hábitos importam? “Porque pessoas de sucesso fazem consistentemente o que outras pessoas fazem ocasionalmente” (Craig Groeschel). Mas o que isso significa? Significa que as pessoas que alcançam sucesso em determinada atividade fazem essa atividade com frequência, enquanto as demais não a fazem com regularidade. Vejamos o exemplo de Jesus. Jesus alcançou sucesso em seu relacionamento com Deus, ele era íntimo do Pai. Jesus orava, evangelizava e lia as escrituras mais frequentemente do que as pessoas que estavam ao seu redor. O mesmo aconteceu com tantos outros heróis da fé. Eles obtiveram sucesso no relacionamento com o Deus porque eles desenvolveram hábitos que reforçavam este relacionamento.

Nossos hábitos são importantes porque essas pequenas ações (hábitos) que realizamos diariamente mudam quem somos e como nos sentimos, assim como definem aonde chegaremos. Nossa vida é a soma de todas as pequenas decisões que tomamos. Ao longo do tempo vemos como cada pequeno hábito impactou a nossa vida e nos levou a algum lugar (bom ou ruim). O hábito de passar 10 min com Deus diariamente pode parecer pouco, mas certamente fortalecerá o seu relacionamento com Ele ao longo de um ano. Da mesma forma, fumar apenas um cigarro por dia pode não parecer muito, mas em um ano sua condição cardiorrespiratória não será a mesma.

Já que nossos hábitos contribuem no que nos tornamos, é hora de decidir: Quem você quer se tornar?

Quero ser uma mulher de Deus.

Eu quero ser mais saudável.

Quero ser conhecida como uma menina que tem conhecimento em uma ampla gama de assuntos.

Depois de feita essa decisão, pergunte-se: que mudança de hábitos posso desenvolver para chegar lá?

E ai, você me pergunta “como desenvolver esses hábitos?”

  1. Comprometa-se – escolha um hábito que você gostaria de adquirir e se comprometa a fazer esforços para desenvolvê-lo. Para ajudar no comprometimento, visualize como esse novo hábito será benéfico a longo prazo. Se possível, detalhe todas as vantagens que esse novo hábito te trará.
  2. Comece pequeno – comece com um hábito por vez. No início, inserir essa nova atividade na sua rotina irá requerer esforço, mas com o tempo a atividade se transformará em um hábito que faz parte de você. Agora imagine tentar inserir muitas atividades diferentes ao mesmo tempo, o esforço que isso irá requerer? Se isso acontecer, será provável que você desistirá já no início. Um novo hábito por ano, ou a cada 6 meses é o ideal.
  3. Escolha um horário: escolha o melhor horário para fazer a atividade que você está se propondo, um horário que você terá certeza que esterá disponível todos os dias. Quer ler a Bíblia diariamente? Talvez você possa acordar 20 minutos mais cedo para isso, ou talvez o melhor horário é quando chega da escola ou trabalho.
  4. Crie um gatilho: algo que você veja diariamente naquele horário que te lembrará de fazer a atividade. No exemplo de ler a Bíblia, se você escolher a parte da manhã, poderá deixar a Bíblia sobre a mesa na noite anterior. Isto a lembrará de lê-la após tomar o seu café. Ou talvez você queira começar a praticar uma atividade física e decidiu fazer isso quando chega em casa no final da tarde. Neste caso, você pode deixar as roupas para a atividade física perto da porta de entrada de modo que será a primeira coisa que você verá quando chegar e, consequentemente, será lembrada do seu compromisso com o seu novo hábito.

Desenvolver novos hábitos realmente não é fácil, mas o sistema que descrevi acima poderá ajudar você. Escolha um hábito, faça um plano e se comprometa a ele. E se eu falhar um dia? Não desista, comece novamente no dia seguinte.

Tudo de melhor nessa nova jornada!

Um grande abraço!

Bárbara Saur

* Inspirado na preleção “How to form a habit” – Pr. Craig Groeschel

 

 

Masculinidade e Feminilidade - Manu Bartolomeu

Masculinidade e Feminilidade

Não que seja fácil falar sobre esse assunto, mas eu mesma decidi escrever sobre ele. Não que seja possível esgotá-lo nesse momento e de uma vez, mas foi por isso mesmo que decidi escrever sobre ele. Não é que não seja desconfortável para mim, mas é por isso mesmo que insisto em decidir por ele e nunca pelo contrário dele (que seria a apatia diante das urgências do nosso tempo e da nossa geração).

Não é fácil falar sobre feminilidade e masculinidade sem a Bíblia, porque esse assunto não cabe em pontos, em esquemas, em gráficos. Existem pontos pertinentes, é claro. Existem esquemas que mostram as estruturas funcionais e disfuncionais que tangem a feminilidade e a masculinidade saudáveis. Existem gráficos (assustadores) que apontam os caminhos complicados que nos esperam (ou não nos esperam mais).

Mas a verdade está na Palavra, de capa a capa: Jesus é o Senhor. Jesus é o Senhor de tudo, sobre tudo e para sempre, o que quer dizer que a minha feminilidade (e a masculinidade dos homens que também chegarem a esse texto) está sobre o governo dele. Desejos, intenções, vaidades, formas, expressão, gestos, trejeitos, moda, voz, talentos, ambições, beijos e carícias que expressem que sou mulher devem expressar primeiro que eu tenho um dono. Ele que faz planos para os meus planos. Ele é quem me reveste do que o veste. Ele é, ele faz. Quando uma mulher se esquece disso, para de celebrar o que o Senhor fez: homem e mulher. Diferentes.

Deus viu que era bom o diferente. Celebrou isto. Mas e depois da queda temos o que celebrar?

“Quando um homem se torna mau, como aconteceu com todos os homens, de certo modo, depois da Queda, o que mais é prejudicado é a sua força. O homem se torna passivo e fraco – entrega a sua força – ou se torna violento e compulsivo – perde o controle da sua força. Quando uma mulher perde a graça de Deus, o que mais é prejudicado é a sua terna vulnerabilidade, a beleza que atrai a vida. Ela se torna uma mulher dominadora e controladora – ou uma mulher desolada, necessitada, quieta.” (ELDREDGE, 2015, pag.64).

O efeito da queda ou o feito grandioso da cruz cheia do sangue do nosso Senhor? O que é digno de celebração? Fazemos essa escolha e a partir dela escolhemos a feminilidade (ou a masculinidade) sã e produtiva. Não faz sentido buscar sobre esse assunto sem a luz de Cristo DENTRO de nós, o que quer dizer que o mundo tem tentado, podcasts e livros não faltam, mas suas palavras vêm do escuro, produzindo assim muita escuridão, caos desesperador e famílias tóxicas.

Como disse, não pretendo esgotar esse assunto nesse post. Seria arrogante imaginar tal coisa, a saber, que “eu me conheço mais olhando pra Você” (Crombie, Convívio) e pretendo passar o resto da minha vida olhando para Deus. Mas vale citar dois livros singulares e precisos para esse tema. Um já citei acima com o recorte e incentivo fortemente que as mulheres que me lêem o tenham (rabiscado e marcadíssimo como o meu? Talvez rs) e o leiam com a ajuda do Espírito Santo.

É minha dica de ouro: EM BUSCA DA ALMA FEMININA – John e Stasi Eldredge. Mas também há outro que me inspira e é o meu livro de cabeceira do ano de 2020. O SILÊNCIO DE ADÃO – Larry Crabb, Dom Hudson e Al Andrews. Três homens sinceros se expondo a partir de suas naturezas caídas em Adão e resgatas em Jesus. Um livro para homens e mulheres. Um livro para provar que esse assunto não se esgota, mas se aprende e se REAPRENDE (mesmo que você já tenha andado para muito longe do planejado).

Por fim, quero agradecer a Deus por mais essa oportunidade de tocar nesse assunto. Meio desconfortável? Sim, queridas irmãs (e queridos irmãos). Ainda me lembro de todas as vezes que quis provar que era mulher, provando de coisas que não vieram das mesmas mãos que criaram a mulher. Ainda me lembro de pegar atalhos para fugir do único caminho. E sei que daqui a uns anos vou me lembrar de agora: dessa fase que quero saber e explicar e resumir e pontuar e colocar em gráficos algo intangível.

A vida de Deus derramada em mim na expressão do feminino é algo imensurável, intangível, e, graças a Jesus, incontestável. Penso que estou no caminho certo quando me lembro da frase de um célebre homem: “É impossível alguém se arrepender de fato sem antes experimentar uma profunda decepção consigo mesmo” A.W. Tozer. Quando me decepciono com a forma de ser mulher enquanto estou à luz do mundo, corro arrependida para a Bíblia e vejo o que ela tem para me ensinar.

Deus nos conduza em aprendizado.

Emanuelle Bartolomeu

Ele te consola e te capacita!

Ele te consola e capacita

“Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, Pai das misericórdias e Deus de toda consolação, que nos consola em todas as nossas tribulações, para que, com a consolação que recebemos de Deus, possamos consolar os que estão passando por tribulações. Pois assim como os sofrimentos de Cristo transbordam sobre nós, também por meio de Cristo transborda a nossa consolação.” 2 Coríntios 1:3

Certa vez resolvi ir em uma viagem missionária, daquelas em que a gente fica alguns dias na cidade e sai levar a Palavra e o amor de Jesus nas casas das pessoas. Eu que sempre fui apaixonada por missões estava realizada e muito empolgada com esta decisão!

A princípio eu iria com algumas moças da minha igreja, tudo estava planejado, mas faltando uma semana para a data da viagem (eu já havia pagado tudo, seria minha primeira experiência missionária) as meninas da minha igreja desistiram de ir.

Naquele momento fiquei extremamente perdida, iriam mais algumas moças e rapazes de outras igrejas daqui da cidade e de uma cidade vizinha, mas eu não os conhecia. Com isso, fiquei muito assustada e pensei em desistir, chegaram a cancelar o ônibus que nos levaria e teríamos que ir com os carros das meninas daqui da cidade.

Tentei contato com algumas delas pra fazer amizades e foram muito queridas, mas a minha mente e meus complexos diziam que eu estava incomodando e então estava diante da cruel dúvida: ir sozinha com elas permitindo-me experimentar e fazer o que sempre esteve dentro de mim, ou ficar em casa (o que parecia-me mais seguro).

Os dias passavam, a viagem se aproximava e eu, cada vez mais, ficava atormentada pelo medo e pela incerteza. Foi então que comecei a orar com intensidade a respeito e ser totalmente sincera com Deus, dizia a Ele que queria ir, mas sentia medo, dúvida e sentia-me incapaz de transmitir o Seu amor já que eu estava com a mente atormentada por minhas próprias crises e dores.

Os dias passaram e o dia da viagem chegou! Resolvi ir! Ao chegar lá, fiquei extremamente perdida, já na ida no carro com as meninas eu me sentia uma intrusa, todas se conheciam e eu não, sentia que estava incomodando de alguma forma. Mas aos poucos, fui me entrosando com elas, arrumamos as coisas e a noite teve o primeiro culto que nos preparou para as ações evangelísticas do próximo dia.

Mas neste culto, algo de diferente aconteceu. Houve uma ministração sobre identidade que tocou fortemente o meu coração, o pregador falou que sentia que muitos que estavam ali estavam com um sentimento de incapacidade e de culpa e que era para deixarmos tudo ali na presença de Deus e entregamos para Ele, pois quem nos capacitaria para falarmos seria Ele.

Fui pra frente no momento de oração e lá ajoelhei-me e disse para Deus com o coração desesperado que queria deixar tudo ali, que tudo que eu mais queria era sentir o amor Dele de Pai para falar naquela cidade, disse também, que eu precisava do abraço Dele, não me importava com mais nada só queria me sentir amada por Ele.

Foi então que estava de olhos fechados mas uma moça veio na minha direção, ela me abraçou e eu não vi quem era, mas só consegui ouvir as primeiras palavras que me disse: “Filha você não está sozinha, você é amada”; e ficou abraçada comigo em oração. Eu não ouvia mais nada, mas senti um amor imenso entrar dentro do meu coração naquele mesmo instante, era como se todos meus questionamentos sobre ser amada por Deus acabassem ali, eu senti Ele me abraçar verdadeiramente, senti o amor Dele, senti que Ele sempre esteve comigo, não sei explicar o quão maravilhoso foi aquele momento.

Depois daquele dia eu não sou mais a mesma, meu coração foi tomado por uma paz imensa, um alívio que tirou meu peso e sarou meu coração, senti-me tão amada que as dúvidas se transformaram em alegria e paz. Deus usou aquele Pastor e, também, aquela irmã para falar de forma especial ao meu coração.

Com isso, também quero te dizer: eu não sei o que você tem passado nem quantas vezes sua mente tenha tentado te fazer desacreditar em meio as dores dessa vida de que você tem um Pai que te ama e que você tem um Consolador que é o próprio Espírito Santo de Deus. Não esqueça, toda vez que você clamar com um coração sincero você pode ser encontrada por esse amor, seja no seu quarto, seja no trabalho, seja na rua.

Não importa o que você tenha passado, não importa quão incapaz você se sinta, pois Ele escolhe os improváveis para usar para sua glória. Tenha certeza que Ele é de fato um doce Consolador e você é amada por Ele. Acredite nisso.

“Lá vocês procurarão o SENHOR , seu Deus, e o encontrarão, se o buscarem com todo o coração e com toda a alma”. Dt. 4.29

Nicole Queiroz

postura-no-namoro

Postura no namoro

Oi! Tudo na paz?

Há pouco estava conversando com meus colegas sobre o programa Jovem Aprendiz, e uma das estagiárias que trabalha conosco contou sua experiência, falando ensinamentos que recebeu nas aulas do projeto. Dentre eles, teve lições sobre comportamento, vestimenta e postura no local de trabalho. Nosso local de trabalho requer o uso de roupas que não comprometam o decoro e neutralidade esperados na função pública. Então você pode me perguntar: “mas então que roupa se deve usar?”

Não tenho respostas exatas, especialmente porque a resposta vai depender do cargo e das circunstâncias, mas algumas coisas certamente não cabem: camiseta de futebol, chinelos, roupa de academia, barriga de fora, por exemplo.

Partindo desse exemplo, podemos falar do tema que me propuseram: postura no namoro. E como na situação do meu trabalho, podemos mencionar alguns comportamentos que são obviamente incompatíveis com um namoro cristão, mas eu não tenho como listar uma “receita” aqui. Posso indicar que princípios Deus espera que observemos, para que então, orientada pelo Espírito Santo, você mesma possa concluir.

Vejamos qual a instrução que Paulo dá ao povo de Tessalônica em sua primeira carta, capítulo 4, versos 3 a 6:

(3) Pois a vontade de Deus é a santificação de vocês: que se abstenham da imoralidade sexual; (4) que cada um de vocês saiba controlar o seu próprio corpo em santificação e honra, (5) não com desejos imorais, como os gentios que não conhecem a Deus.  (6) E que nesta matéria, ninguém ofenda nem defraude o seu irmão. [NAA]

O início do texto fala de algo que todas nós sabemos – devemos fugir da imoralidade sexual; o sexo é uma bênção que Deus oferece ao ser humano dentro de uma relação conjugal, pois fora dela, é maldição. No verso 6 está um dos princípios chave: não defraudar o irmão nos desejos. São sinônimos de defraudar: “iludir, blefar, mentir”, por isso devemos interpretar como “despertar um desejo que não pode ser satisfeito”.

Toda vez que, com seus toques, roupas ou palavras você desperta um desejo que não pode satisfazer, você está defraudando. Na sequência do texto, Paulo adverte que Deus é vingador em todas essas coisas. Portanto, devemos ter muito cuidado para não ofender ninguém nesta matéria. Em um namoro, devemos conversar sobre o assunto, especialmente para saber como a outra pessoa interpreta suas atitudes ou sente-se com relação às suas roupas, por exemplo, pois um desejo pode ser despertado mesmo sem sua intenção.

Certa vez ouvi uma ilustração muito adequada para esta matéria: pense em um elástico, quanto mais vezes você o estica (coloca tensão) até o limite, mais ele perde sua elasticidade (que é a capacidade de voltar à forma original), até chegar ao ponto de não ser mais possível voltar, no popular, fica “laceado”,
deixa de ser elástico e torna-se algo com forma permanente – lembre daquela borrachinha de cabelo que não prende mais! Toda vez que você leva o seu desejo sexual até o limite, provoca essa incapacidade de voltar a ser como era antes, até chegar ao ponto em que se torna irreversível.

Durante o namoro é preciso conversar muito, além dos assuntos próprios de suas vidas cotidianas – o compartilhar, falar sobre planos e projetos, sobre seus pontos de vista, e, especialmente, sobre a Palavra de Deus. Falem um com o outro, e juntos, conversem com Deus. Desenvolver o hábito da oração é importante desde o namoro.

Exercitar a criatividade e ser romântica(o), praticar a gentileza, fazer desse tempo um aquecimento para um casamento sadio. Outra coisa que deve ser exercitada é o perdão – não se engane, tanto no namoro quanto no casamento é preciso perdoar, pois sempre que há interação entre pessoas, há atritos. Quanto mais próximo o relacionamento, mais propenso aos atritos será. O ferro se afia com ferro, e uma pessoa, pela presença do seu próximo. [Provérbios 27:17 NAA]

Nesse sentido, também destaco que é muito importante de estarem juntos na presença das outras pessoas – participar de atividades com a juventude e tempo de qualidade com a família. O isolamento é uma tendência contra a qual é preciso lutar. No livro de Hebreus (10:25) somos exortados a não deixar de congregar, o que, no meu entender, não diz respeito apenas ao culto dominical, mas sim a estarmos reunidos com a família da fé em diferentes circunstâncias.

Digo também: seja realista. Nem você, nem seu namorado vão deixar de ser quem são após o casamento. É um grande engano imaginar que tudo vai mudar depois do casamento, nenhuma aliança no dedo anelar esquerdo muda o caráter ou a personalidade de alguém. Então, o tempo de conhecer e revelar
quem somos é durante o namoro.

Por fim, faça do Espírito Santo seu conselheiro, e peça para Ele sondar seu coração e orientar seu relacionamento, para que tudo seja conforme o querer do nosso amado Pai. Super abraço!

Mariana Marció

propósito do namoro

Propósito do namoro

Em tempos de relacionamentos descartáveis, você entende o real propósito do namoro?

Quero propor uma dinâmica, e, se você topar deixar ela mais interativa, suas respostas podem ser escritas nos comentários. Vou escrever algumas palavras e você deve anotar (mesmo que mentalmente) a primeira palavra que vem à mente após a leitura, ok?

  1. Comida
  2. Diversão
  3. Futuro
  4. Jesus
  5. Família
  6. Leitura
  7. Espelho
  8. Namoro

Logo mais eu publico as minhas respostas, mas uma delas já vou adiantar: Namoro – casamento. Sim, casamento. Em tempos de relacionamentos descartáveis, é urgente que nós manifestemos a essência do nosso Pai, o Deus que fez uma aliança inquebrável em Cristo, de amor, perdão e salvação. E aí você me pergunta: tá, e o que isso tem a ver com namoro e casamento?

Tem muito! Se você já leu o Novo Testamento, viu parábolas e metáforas sobre Jesus e sua noiva – a Igreja. O amor de Cristo não muda, é eterno, assim como é pessoal – você é o alvo do amor dEle, individualmente. O ser humano é relacional exatamente porque fomos criados por um Deus relacional, que é a fonte do amor e, porque Ele ama, nós podemos amar.

Todos os nossos relacionamentos devem levar em consideração a ordem de Jesus: amar como Ele nos amou. Nessa ordem incluem-se também os relacionamentos amorosos – até mesmo quando amamos com aquele brilho diferente, com o frio na barriga e coração acelerado.

Com isso em mente, vamos retomar a ideia do “descartável”. Vivemos uma realidade tecnológica impressionante, em que os relacionamentos virtuais têm ganhado cada vez mais força, e com isso vivemos os prós e os contras dessa configuração social. Por um lado, é ótimo poder estar conectado com quem está fisicamente longe, falar a qualquer tempo, ficar atualizado; por outro, não temos mais comprometimento com o próximo, se não gosto, eu excluo, bloqueio, simplesmente desfaço o relacionamento. 

Zygmunt Bauman, sociólogo e autor de diversos livros, escreveu sobre o tempo “líquido” em que vivemos – uma analogia entre a fluidez da vida, dos relacionamentos, os quais não tem uma forma definida, mas amoldam-se ao “recipiente” em que estiverem no momento. Explica, também, que essa liquidez é o oposto da solidez que gerações passadas experimentaram. Em seu livro “Amor Líquido”, ele diz:

[…] homens e mulheres, nossos contemporâneos, desesperados por terem sido abandonados aos seus próprios sentidos e sentimentos facilmente descartáveis, ansiando pela segurança do convívio e da mão amiga com que possam contar num momento de aflição, desesperados por relacionar-se. E no entanto, desconfiados da condição de “estar ligado”, em particular de estar ligado permanentemente, para não dizer eternamente, pois temem que tal condição possa trazer encargos e tensões que eles não se consideram aptos nem dispostos a suportar, e que podem limitar severamente a liberdade de que necessitam […]” (BAUMAN, Zygmunt. Amor Líquido: sobre a fragilidade dos laços humanos. Zahar, 2004. Pág. 8)

Inseridas nessa realidade, é nosso dever não assumir esse padrão de comportamento, visto que o apóstolo Paulo já nos deixou exortação: e não vivam conforme os padrões deste mundo, mas deixem que Deus os transforme pela renovação da mente (Romanos 12.2a NAA). É por isso, amada, que te convido a perceber a seriedade do compromisso que assumimos em um namoro. Não podemos encarar como algo que “se der certo, deu”, ou pior, “foi bom enquanto durou”. Não, essa não deve ser a postura dos filhos de Deus. É preciso ter em vista que estamos nos comprometendo com alguém, gerando expectativas em nosso coração e no do outro. Namoro não é passatempo, não é status, não é consolo para alguma frustração, é compromisso.

Claro, não quero dizer que se você começou a namorar é obrigada a seguir até o altar, pois durante o relacionamento podem surgir dificuldades insuperáveis, que frustram a continuidade da relação – visto que conhecemos e somos conhecidas mais profundamente. O que desejo mostrar é que todo namoro, para começar, precisa considerar o casamento o passo seguinte.

Examinar nosso coração é a especialidade do Espírito Santo, por isso peça a Ele que sonde suas intenções, os fundamentos em que tem construído seu desejo por um relacionamento amoroso (ou mesmo o namoro em que está). Que você perceba o valor do outro, para que não tolere laços frouxos e sentimentos descartáveis como um padrão aceitável, lembrando sempre que um relacionamento não se faz com pessoas que se completam, mas sim de pessoas que se complementam.

Super abraço!

Mariana Marció

Nova identidade = Novas posturas

Quando aceitamos a Cristo e o reconhecemos como nosso Salvador, Ele nos dá uma nova identidade: somos adotadas e devemos agir como suas filhas (Efésios 5:1). Somos filhas amadas de Deus e esse amor nos completa, transforma nosso interior, transborda de dentro de nós, faz com que vivamos como uma oferta de perfume agradável e como um sacrifício que agrada a Deus (Efésios 5:2).

O amor de Deus nos tirou do meio da escuridão e da cegueira do pecado, agora pertencemos a luz (Efésios 5:8). Passamos por uma transformação e passamos a viver como quem enxerga, produzindo o que vem da luz (Efésios 5:9). A nova identidade em Cristo faz com que nossas atitudes, a forma como levamos a vida, nossas ideologias, como tratamos outras pessoas, sejam mudadas. Nossas ações devem refletir a Cristo, o Espírito Santo passa a agir em nós e nos leva a ser transformadas à semelhança de Cristo (2 Coríntios 3:18). Se suas ações, o que você fala, se seu Instagram, não estão refletindo a quem Cristo é, então você não está sendo quem deve ser em Cristo. A conversão exige de nós uma transformação completa de nossa mente, a nossa forma de viver não deve mais ser igual a de nossos amigos e colegas não cristãos, pois se não, qual é a diferença de ter Cristo em nossas vidas?

1.“Mas o Espírito de Deus produz o amor, a alegria, a paz, a paciência, a delicadeza, a bondade, a fidelidade, a humildade e o domínio próprio. E contra essas coisas não existe lei.” Gálatas 5:22-23

Estas são as características que o Espírito Santo produz em nós. Não é uma mudança que vem de um dia pro outro, e essa transformação é dolorosa, fazendo com que vivamos em uma constante auto análise. Viver a identidade de Cristo é coisa séria, não há mais espaço para a nossa natureza humana (Gálatas 5:13), é a imagem de Cristo que carregamos. E é algo que nós, humanos e pecadores, não temos capacidade para fazermos sozinhos. Assim como Davi, precisamos pedir que Deus nos examine e nos mostre onde devemos mudar, pedir para que o amor e a verdade dEle nos orientem (Salmos 26:2-3).

2. “Meu filho, guarde as minhas palavras e conserve os meus mandamentos em seu coração. Observe os meus mandamentos e você viverá; guarde a minha lei como a menina dos meu olhos. Amarre-os aos dedos, escreva-os na tábua do seu coração.” Provérbios 7:1-3

Deus fala conosco através de sua Palavra, então, para que Ele nos examine e possamos saber o que Deus quer nos dizer, precisamos estar sempre o buscando através dela. Como vamos praticar aquilo que não conhecemos? Nosso relacionamento com Deus é diário, com Bíblia e oração, é apenas dessa forma que podemos ter intimidade com Ele. Precisamos conhecer seus mandamentos e os guardar em nossa mente e coração para que, no dia a dia, coloquemos em prática.

Nos parecemos com aquelas pessoas que estão próximas de nós, com quem estamos sempre conversando. Então como vamos nos tornar parecidas com Cristo o vendo apenas no culto? Quando queremos conhecer uma pessoa melhor, nos tornamos mais próximas dela, dedicamos tempo para construir essa amizade, compartilhando sobre nossa vida, ouvindo sobre ela, vamos construindo um relacionamento próximo com ela. E o nosso relacionamento com Cristo funciona da mesma forma. Ele está de braços abertos, esperando que nos aproximemos dEle e tenhamos um relacionamento verdadeiro com Cristo.

3.”Portanto, não permitam que o pecado reine em seu corpo mortal, fazendo com que vocês obedeçam suas paixões. Também não ofereçam os membros do corpo ao pecado, como instrumentos de injustiça, mas como pessoas que passaram da morte para a vida, ofereçam a si mesmos a Deus e ofereçam os seus membros a Deus, como instrumentos de justiça. Porque o pecado não terá domínio sobre vocês, pois você não está debaixo da lei, e sim da graça.” Romanos 6: 12-14

Em Cristo estamos livres do domínio do pecado, morremos para nossas vontades edesejos carnais, para vivermos em Cristo. Viver em Cristo requer de nós uma entrega total, não tem uma parte de nossa vida que fique de fora. Mas, mesmo assim, nos sentimos tentadas a fazer coisas que desagradam a Deus. Às vezes pensamos assim, “tal coisa não vai fazer mal a ninguém, é só um dia que preciso extravasar, é só um dia que vou sair com meus amigos, apenas tenho curiosidade, não vou fazer nada de mais, o que é que tem de errado?”. Mas estamos nos deixando levar pela carne, pelos nossos prazeres, alimentando os nossos desejos humanos e nos afastando de Cristo (Romanos 8:7).

Conversão significa uma mudança de direção, agora seguimos o inverso do que acreditamos antes, seguimos o inverso do que o mundo nos diz. O nosso foco, nossos objetivos já não são os mesmos. É viver em liberdade, mas não para fazermos tudo o que der na nossa cabeça, e sim aquilo que convém para a vida em Cristo (1 Coríntios 6:12). Quando vivemos em Cristo, não vivemos para satisfazer nossas vontades, vivemos para fazer a vontade do Pai.

Se você está sempre pedindo perdão a Deus pelo mesmos pecado, dizendo que vai abandonar alguma prática, mas continua no mesmo erro. Quando nos arrependemos verdadeiramente, pedimos perdão humildemente a Deus com todo nosso coração, deixando que Cristo transforme nosso coração, não voltamos a cometer esse pecado. Pare e pense se você tem tido um arrependimento verdadeiro ou apenas se sente culpada.

4. “E não somente isto, mas também nos gloriamos nas tribulações, sabendo que a tribulação produz perseverança, a perseverança produz experiência e a experiência produz esperança. Ora, a esperança não nos deixa decepcionados, porque o amor de Deus é derramado em nosso coração pelo Espírito Santo, que nos foi dado.” Romanos 5:3‭-‬5

Por fim, viver uma vida em Cristo não quer dizer que não vamos passar por dificuldade, mas é a certeza de que vai ficar tudo bem. São nas tribulações, nos problemas, nas provações que somos afiados, mas perseveramos. Não pela nossa própria força, permanecemos firmes porque Cristo nos sustenta. A nossa esperança está em Cristo e é Cristo. Quando sabemos que Cristo está no controle de todas as coisas, podemos não saber o que vai acontecer, mas sabemos que, no final, será feita a vontade dEle (Colossenses 1:16-18). Então não nos preocupamos mais, porque sabemos que a vontade dEle é perfeita.

A vida com Cristo é uma vida de entrega, renúncia e morte diária. Todos os dias entregamos tudo de nós, renunciamos às nossas vontades e morremos para o pecado, para que, na palavra de Cristo que habita em nós (Colossenses 3:16), possamos ser quem somos em Cristo e vivermos conforme a sua vontade.

Larissa Lana

Status: não sou mais virgem, e agora?

Talvez um dos capítulos mais tristes dos meus aconselhamentos com adoles e jovens cristãs pairam sobre este tema: Caí, estou arrependida, mas não tenho mais como voltar atrás. Está feito. Como vou contar para o cara certo, que eu já me entreguei ao cara errado?

Meus olhos estão lacrimejando, meu coração ficou apertado por relembrar as longas conversas cheias de confissões amargas de meninas e jovens doces que encontrei por aí. Algo que elas tanto preservavam, tanto sonhavam tinha se esvaído por cederem aos seus desejos. O desejo passou, mas a dor permaneceu.

Agora em suas histórias elas têm amargas lembranças que as cercam e tornaram-se seus maiores vilões ocultos. O que fazer? Para quem contar? Será que mereço este cara que gosta de mim e é tão puro?

No universo cristão estas indagações são muito comuns. Para quem não conhece a Cristo é um loucura, uma real loucura, afinal para eles a pergunta é outra: por que arrepender-se de um ato livre e cheio de paixão?

Mas aqui no diário real de uma garota cristã esta é uma das palavras que habitam em muitos corações: ARREPENDIMENTO. É por isso que venho aqui abrir o jogo com vocês e trazer um memorial novo: TODOS CAÍMOS. Alguns caem através da fofoca, outros das mentiras, outros dos pensamentos, outros na vida financeira, arrogância, orgulho, mediocridade e outros em pecados sexuais. O importante é lembrar: todos, ou para tornar mais pessoal: TODAS caímos. E caímos diariamente.

O que importa é o que fazemos após uma queda. Há quem caia e permaneça errando. Tapa os olhos e finge que seus pecados também não são vistos por Deus, mas há quem caia e encare sua triste realidade de pecador e tome uma atitude consciente de arrependimento.

Arrepender-se é uma das práticas mais lindas que conheço e sempre que medito nisso fico deslumbrada com o amor de Deus. Ao cairmos, podemos e devemos arrepender-nos e recomeçarmos.

Acho que estas duas palavras são as palavras mais lindas do universo: arrependimento e recomeço. Elas nos lembram o nosso estado caído e pecaminoso, nos deixando humildes e dependentes e nos apontam para o caminho mais nobre do mundo, aquele que abraça, empurra, incentiva, vibra, abre as janelas fechadas, é caminho, é respirar, é vida na morte.

Não há como juntar de forma bela estas palavras, mas confesso que tentei. “Arre-meço” (siiim, sei que é arremesso, mas por favor, permita-se viajar comigo com o sentido destas duas palavras juntinhas) foi a melhor que encontrei. E atrevo-me a dizer que esta palavra se encaixa naquilo que estava pensando, o arrependimento nos arremessa para um novo caminho cheio de amor e vitória, mesmo nas desesperanças da vida.

É por isso, querida amiga, que venho aqui para te relembrar: um coração arrependido encontra o perdão e a restauração. Não carregue mais o fardo que ele não quer que carregue. Ele já te perdoou e você não precisa mais sentir-se culpada pelos erros do passado. Agarre este perdão e que ele seja a tua definição. Não encare de forma leviana teu status de perdoada. Viva intensamente e unicamente a partir de agora para a glória de Deus, em santidade e pureza. E não se preocupe, se o cara que diz que te ama, te dá flores e mimos for realmente “o teu par”, ele não ousará condenar aquilo que Deus resolveu perdoar.

Se confessarmos os nossos pecados a Deus, Ele é fiel e justo para nos perdoar e purificar da injustiça. 1 Jo 1.9

Marta Hoffmann Bueno

Status: Virgem aos 15, 20, 30 e poucos anos…

Ao pensar sobre virgindade, lembrei que existiam vários filmes que tratavam desse tema. Dei aquela “googleada” e encontrei vários títulos (não recomendados por nossa equipe, tá?): Virgem aos 40 – Virgem em Apuros – O último virgem – O diário de uma virgem – 18 anos e ainda virgem? – Um virgem de 41 anos – Ainda virgem? Mesmo sem ter assistido estes filmes, tenho quase certeza de que eles tratarão a virgindade como algo ruim e como uma perda de tempo. Dificilmente encontraremos nas mídias algo que reforce a ideia de que esperar o cara certo é tudo de bom. É por isso, amiga, que nós viemos aqui reforçar suas convicções.

Não sei quem está lendo este texto agora e muito menos qual é o seu status. Se já está na faixa dos 15, 20, 30, 40 e se em sua história você faz parte do seleto grupo que tem resistido às tentações sexuais e, como diz o último título do filme acima, ainda é virgem, vou tentar humildemente traçar a linha histórica dos comentários que uma garota que quer manter-se virgem até casar-se recebe na sociedade atual:

Fase 1: Freira da família!

  • Vai virar freira?

Fase 2: Pena!

  • Que desperdício! Menina tão bonita, só podem ter feito lavagem cerebral em ti!
  • Mentira que tu vais esperar o casamento, né?
  • Não existem mais homens virgens no mundo! Por que esperar, se ele não está te esperando?

Fase 3: Titia é uma palavra que combina contigo!

  • Desse jeito, vais ficar para titia! Estás escolhendo muito!

Fase 4: Piadinhas sem graça (já que todas as alternativas acima se esgotaram):

  • Se cupido existisse ele teria este lema a teu respeito: “Mil cairão ao teu lado, dez mil à tua direita. Mas tu não serás atingido”.

Falo destas piadinhas e comentários com propriedade, pois ouvi em minha adolescência e juventude “all the time”. Mas como uma ex integrante deste grupo seleto, quero reforçar uma das maiores lições aprendidas em minha vida: obedecer a Deus como resposta de amor é a melhor sensação do mundo. Por isso, quero te relembrar do porquê sua espera deve ser consciente e de fato pura:

Nossa motivação deve ser uma resposta de amor ao amor de Deus por nós e ao amor que eu quero oferecer ao cara que Deus tem preparado para mim. Essa espera nem sempre é fácil, às vezes demora mais do que o planejado e é cheia de propostas, dúvidas e temores. Ouso compará-la a uma série com longas temporadas, que precisam ser contempladas, uma a uma.

Tem muitas séries legais que nos emocionam, nos divertem, nos entristecem e nos enchem de curiosidade e nos fazem apertar o play rapidinho para irmos de uma vez para o próximo episódio. Confesso que muitas vezes, preciso ter muita paciência para esperar a próxima temporada que parece nunca chegar na Netflix. Sem falar daquelas séries que tem muitas temporadas e nos dão aquela tentação de ler a resenha do último episódio, mas precisamos nos controlar porque a história é revelada episódio após episódio. Temos que assistir cada detalhe com atenção, porque senão, poderemos ficar completamente perdidas. Não dá pra chegar na metade da série e querer ver o último episódio. Se não, perderemos o processo que deixou aquela série EMOCIONANTE, INCRÍVEL e IMPERDÍVEL.

Quando o assunto é sexo, precisamos viver episódio após episódio (assim como nas séries) para chegarmos lá no tão esperado episódio final que é o casamento. Não dá para pular episódios, nem temporadas. Se fizermos isso, nós é que sairemos perdendo. Perderemos a alegria da espera, os detalhes legais, perderemos até mesmo a curiosidade, e a bênção de viver na obediência. Quando nos envolvemos em práticas sexuais fora do casamento pulamos etapas, perdemos a pureza, e o encantamento da espera.

Se o sexo pode ser comparado a uma série, qual é o episódio final?

Quando você encontrar aquele cara que mais combina contigo, poderá desfrutar do que Deus planejou desde o princípio. Eu casei com 30 anos e pela graça de Deus consegui manter-me virgem. E posso dizer que valeu a pena esperar por este dia. Meu marido e eu sentimos como foi especial obedecer com alegria a vontade de Deus. Lembro que quando era missionária em SC, algumas meninas de 12 e 13 anos riam de mim quando eu contava meu testemunho de estar esperando pelo meu futuro marido e que ainda não tinha feito sexo com quase 30 anos. Fiquei com vergonha? É claro que não! Fiquei com meu coração entristecido ao ver o que o mundo tinha feito nos corações delas. Aquilo que é certo aos olhos de Deus, era motivo de vergonha para elas.

Por isso, amiga, lembre-se disso: não são suas amigas, nem familiares e colegas que devem determinar o que você faz e acredita. É Deus quem deve te guiar. É a Bíblia. Escolha obedecer a Deus mesmo quando parecer difícil. Escolha confiar mesmo quando você já não for uma adole e os 20 ou 30 anos estiverem chegando e você ainda estiver solteira. Combinado?

Você não faz ideia como é legal saber que alguém também esperou por você. Ore por ele desde já. Não pule episódios. Viva sua adolescência e juventude fazendo muitos amigos e amigas, viajando, estudando, trabalhando, servindo a Deus na sua igreja, no seu bairro, indo a muitos acampamentos e vivendo como uma garota que se alegra em esperar pelo cara legal que também está esperando por você para que no episódio final da sua super série romântica vocês sejam felizes agradando a Deus sem perder nenhum detalhe legal da história linda que Ele escreveu para vocês.

Dicas “sinceronas”:

  • Nesta etapa da sua vida, agregue a pureza a cada escolha pessoal. De nada adiantará manter o hímen intacto se o seu coração for cheio de pecado como maus pensamentos e orgulho pessoal (aliás podemos erroneamente usarmos a virgindade como medalha para nossa autopromoção e isso será um erro terrível);
  • Alie a sua escolha a busca pela pureza da sua mente e coração;
  • Tenha amigas que também estão esperando para fazer sexo dentro do casamento. Isso te lembrará que você não está sozinha;
  • Lembre-se do texto: “Aquele que PENSA estar em pé, cuide para não cair”.(1 Co 1.12) Nunca pense estar aprovada em nenhuma área da vida, caso contrário você relaxará e poderá cair. Saiba que você é humana e diariamente conta com a graça de Deus para caminhar em obediência e amor;
  • Tenha muito cuidado com as pessoas que você se relaciona, pois um relacionamento com um cara que não sabe controlar-se poderá te levar a amargos arrependimentos;
  • E se eu cair? O que deverei fazer? Deverá recomeçar no seu propósito de santidade. Comece aonde você está. E não acredite nas mentiras ditas por aí, que após cair é impossível ficar sem. Pode ser mais difícil, mas nunca será impossível. Comece hoje e guarde seu corpo, mente e coração para…

Ah, sobre isso eu conversarei contigo na quinta-feira. Pode ser?

Um abraço carinhoso,

Marta Hoffmann Bueno

existe roupa de crente

Existe roupa de “crente”?

O que você acha? Existe mesmo roupa de “crente’? Até lojas de “moda evangélica” já existem para atender ao público feminino mais “recatado”. Mas o que é se vestir como uma menina crente no Senhor Jesus? Bom, tudo começa no seu coração. A motivação do seu coração vai transparecer no modo como você se veste. Como eu já havia falado no post sobre “Modéstia”, existem roupas que não são apropriadas para uma menina temente a Jesus. Roupas curtas, mostrando demais as pernas, a barriga ou as costas, deixando aparecer as roupas íntimas como o sutiã, transparências e roupas coladas demais ao corpo não são vestes que agradam a Deus. Mesmo que esteja “na moda”, nós, cristãs, fazemos nossa própria moda, de acordo com a vontade de Deus.

Então, eu te pergunto: Qual a motivação do seu coração? Você quer se vestir para ser sensual, sexy e desejada? Então, pare e pense comigo: certamente você só vai atrair um tipo de cara: aquele que quer somente o seu corpo e não o seu coração. É isso que você realmente quer? Deus não quer isso para você, Ele tem algo bem melhor do que isso. Ou será que você quer se vestir para impressionar outras meninas, mostrando como você é bonita e se veste bem, com roupas “de marca”? Seja qual a motivação do seu coração, você precisa saber que Deus quer uma vida totalmente diferente e nova para você e isso inclui o seu modo de se vestir. A Bíblia fala de um baita mulherão que era bonita por fora, mas mais ainda por dentro, porque ela temia ao Senhor (Pv 31.30). Você pode ser esse mulherão! Apenas precisa deixar Deus guiar sua vida – e isso inclui seu guarda roupa.

Sendo práticas – será que estas roupas combinam com uma garota cristã? Vamos pensar juntas:

  • Top cropped – (   ) Sim (   ) Não
  • Vestido com transparências mostrando excessivamente o “corpicho” ou as costas – (   ) Sim (   ) Não
  • Roupas coladas (aquelas que as meninas parecem embaladas à vácuo) – (   ) Sim (   ) Não
  • Mostrar sutiã, e roupas com decotes acentuados – (   ) Sim (   ) Não
  • Mostrar a barriguinha – (   ) Sim (   ) Não
  • Short curto, curtíssimo, ou curto fora do padrão JUMAP (piadinha interna dos pioneiros) – (   ) Sim (   ) Não
  • Biquíni fio dental e pequenininho ( e depois postar fotos nas redes sociais sensualizando e ainda por cima usando versículo bíblico de legenda) – (   ) Sim (   ) Não

Agora, você pode ter lido tudo isso e concordar comigo ou não. Mas eu não quero que você simplesmente concorde comigo. Eu quero que você olhe para o seu coração e analise as motivações dele. Não permita que o mundo dite como você deve se vestir, faça você mesma a sua própria moda, com beleza, elegância, mas também com modéstia e pureza. E se estiver com dificuldades, faça a oração que Davi fez no Salmo 139.23-24: “Sonda-me, ó Deus, e conhece o meu coração; prova-me e conhece minhas inquietações. Vê se em minha conduta algo te ofende e dirige-me pelo caminho eterno.”

Deixe Deus ser o Senhor do teu guarda roupa também e te conduzir a um modo de se vestir que reflita o teu valor perante Ele e o teu amor por Ele.

“As roupas de uma mulher verdadeiramente cristã não gritarão: ‘Sexo! Orgulho!
Dinheiro!’ mas suavemente insinuarão: “pureza, humildade e moderação’.”

Jeff Pollard

Adriane Miozzo Balaniuk