eu e o dinheiro

Eu e o dinheiro: Como fazer essa relação dar certo? Parte 4

Quem ama o dinheiro jamais terá o suficiente; quem ama as riquezas jamais ficará satisfeito com os seus rendimentos. Isso também não faz sentido. Ec 5.10

Neste último artigo da série sobre o uso do dinheiro vamos falar sobre os investimentos e a investidora. Conhecendo seu perfil como investidora ficará mais fácil reconhecer os tipos de investimentos mais indicados para você.

Leia mais…

Eu e o Dinheiro

Eu e o dinheiro: Como fazer essa relação dar certo? Parte 3

No 3º artigo da série vamos falar sobre como sair do endividamento. Tão importante quanto sair da situação é entender o motivo pelo qual você entrou nesse caminho. Isso a ajudará a não cair novamente na mesma armadilha, porque a deixará atenta ao perigo.

Quando alguém adquire um imóvel, veículo, equipamento, ou financia seus estudos, está assumindo uma dívida com característica de investimento. Se bem planejada, é o que podemos chamar de dívida boa. As parcelas cabem no seu orçamento e estão em dia. Como ninguém está isento de imprevistos na vida, pode ocorrer um desemprego, uma doença de alguém na família e tantos outros fatores que causem um atraso nas parcelas. Para isso, se faz o contato com o credor e se negocia. Digamos que ocorreu uma dívida passiva, porque a pessoa que ficou devendo não tinha a intenção. Conheço uma chave que abre qualquer porta: a verdade. Quando alguém quer acertar, haverá sempre uma saída.

Leia mais…

eu e o dinheiro

Eu e o dinheiro: Como fazer essa relação dar certo? Parte 2

“Qual de vocês, se quiser construir uma torre, primeiro não se assenta e calcula o preço, para ver se tem dinheiro suficiente para completá-la?” Lc 14.28

Fazer orçamento e planejar a festa dos sonhos, a viagem… (complete a frase), todos querem. É natural que ninguém queira ver o seu sonho se tornar um pesadelo. Mas parece que sabemos tanto sobre o nosso dia a dia que poucos consideram importante colocá-lo no papel, ou armazenar na nuvem, o que se refere ao uso dos recursos financeiros que temos à disposição.

Leia mais…

Eu e o dinheiro: Como fazer essa relação dar certo?

Na série sobre finanças pessoais vamos falar sobre orçamento, como planejar melhor, sair do endividamento, e conhecer o seu perfil como investidora. Na era da inteligência artificial negociamos com computadores ou os deixamos decidir por nós!! Surgem os bancos sem sede física para atendimento aos clientes. Já se fala em fim do papel moeda em alguns países. Novos nomes são incorporados ao jeito de fazer trocas, através das criptomoedas (moedas digitais), por exemplo.

Leia mais…

Isso foi feito para você!

É o que diz o anúncio comercial. Empresas com o foco no cliente são realmente o ideal. Você já foi a uma grande loja de artigos de decoração para casa? Dá a impressão que várias pessoas ficam pensando (e produzindo na indústria) o dia todo coisas que facilitam a sua vida com um bom gosto incrível. Isso custa, claro! Mas você não vê o valor todo, apenas o valor da parcela. E assim vai contribuindo para que as sociedades de consumo mantenham seus ciclos ativos. Parece até “nobre” contribuir com algo tão abrangente…rsrs

Méritos para a mulher que já atingiu o hábito do consumo consciente, sabe esperar e semear para o futuro, poupando e investindo uma parte. Mesmo que seja bem pequena, tá? Nada que esperar ter muito dinheiro para investir. Se não começar com pouco dificilmente o fará quando tiver muito porque isso é um estilo de vida sábio.Leia mais…

Quando o inesperado acontece…

E pode esperar, pois sempre acontece algo para quebrar a sua rotina e tirar você da sua zona de conforto.

Tudo estava indo bem até que surge um fato novo e é necessário mudar para se adaptar.

É por isso que as boas maneiras de cuidar das finanças pessoais irão recomendar que se reserve uma parte do dinheiro para as despesas não previstas.

Já aconteceu algo inesperado que você precisou gastar e não tinha de onde tirar? Um desemprego, o ingresso numa universidade particular, mudança de cidade…

Leia mais…

Como você quer passar 2017?

Esse é o título do artigo de Franco Iacomini, colunista da Gazeta do Povo, em 29/12/16.

Ele apresenta três dicas para a vida financeira no ano novo. Talvez você pergunte por que sempre as mesmas dicas? Se perguntar isso é porque não usa nenhuma delas, pois se usa provavelmente você controla suas finanças, ou invés de ser uma descontrolada nessa área.

O que é importante nunca é demais. E não esqueça que o que você tem, seja pouco ou muito, foi o Senhor quem te deu!

Então vamos a um trecho do artigo e saiba que minha oração é que você descubra o privilégio que é ser uma serva de Deus a quem o Senhor confia talentos (financeiros também) para fazer bom uso e ser agradecida pelo que tem.

“Endividado? Preocupado? Investindo? Consumindo?

Leia mais…

A vida é feita de escolhas…

E “se algum de vocês tem falta de sabedoria, peça-a a Deus, que a todos dá livremente, de boa vontade; e lhe será concedida” (Tg 1:5). Pois cada escolha traz suas consequências, quer sejam boas, ou más.

Aplicando o texto às finanças pessoais, vale lembrar que valores, no mercado, são o produto de cálculos que podem comprometer sua qualidade de vida quando se tornam prejudiciais.

Por exemplo: comprar à vista, com um pequeno desconto, ou a prazo com parcelas de valores “baixinhos e acessíveis”? Precisa calcular, sem dúvida. Tanto faz pagar à vista ou em 10 vezes, diz o anúncio da loja. Só que os juros estão embutidos! Pesquise e encontrará o mesmo produto bem mais barato.

Já reparou que, em muitas lojas e shoppings, há um som alto e agitado? Isso dificulta uma análise mais crítica das opções, o que interessa para quem quer vender.

Não vou perguntar quem já comprou coisas que nunca usou. Faz parte, mas dá para evitar. Dá para guardar um pouco, esperar para realizar um sonho e tomar o controle das suas finanças pessoais.

Veja algumas das dicas do Banco Central do Brasil, em sua “Cartilha da Cidadania Financeira”, no módulo I – Nossa relação com o dinheiro:

Leia mais…

O bom nome vale mais do que muita riqueza…

 “ O bom nome vale mais do que muita riqueza; ser estimado é melhor do que ter prata e ouro.” Pv 22.1

Muitos textos, na bíblia, relatam o Senhor chamando as pessoas pelo nome, ou mudando o nome de alguns após um encontro. Vale lembrar a importância de ter o nome escrito no livro da vida.

“Aqueles que conseguirem a vitória serão vestidos de branco, e eu não tirarei o nome dessas pessoas do Livro da Vida. Eu declararei abertamente, na presença do meu Pai e dos seus anjos, que elas pertencem a mim. Ap 3.5. Promessa linda, né?

O texto em Filipenses 2.9, relata: “Por isso, também Deus o exaltou soberanamente, e lhe deu um nome que é sobre todo o nome…”.  A referência nesse texto é ao nome de Jesus!

Meu objetivo até aqui foi de chamar a sua atenção para a relevância do assunto. Que assunto? Seu nome, claro!  Você sabe o valor que ele tem no seu dia a dia? O bom nome abre portas que ajudam a crescer e a vencer. Mas também podem abrir portas para problemas. Coisas que tirarão a sua paz e serão motivo de vergonha, principalmente para um cristão.

Por isso, gostaria de compartilhar com você duas dicas do Serasa Consumidor. Serasa é uma organização que fornece os dados e as ferramentas de análise de crédito no mundo:

Leia mais…

Atitudes de consumismo – o que é isso?

“Você já parou para pensar no que passa pela sua cabeça ao tomar uma decisão que envolve o uso do dinheiro? A maioria das pessoas não faz esse raciocínio e desconhece fatores importantes nesse processo. A Psicologia Econômica estuda como tomamos essas decisões.”
O texto e a imagem acima foram extraídos do site do Banco Central do Brasil: https://cidadaniafinanceira.bcb.gov.br/blog/85-voce- ja-parou- pra-pensar

Vera Rita de Mello Ferreira é a autora do livro “Atitudes Econômicas: você já parou para pensar?”, que trata dos fatores envolvidos em decisões de ordem econômica. Entenda-se economia partindo do princípio da distribuição de todos os recursos finitos. E não apenas o dinheiro. O livro faz parte do programa ENEF – Estratégia Nacional de Educação Financeira. A educação financeira ainda não é tão difundida no Brasil. Mas a iniciativa do programa é
contribuir para mudar o quadro.

Os índices de endividamento têm crescido muito em nosso país. De que lado das estatísticas você está? Leia mais…