Abra a Felicidade

Em meio a tantas notícias de guerras, perseguições, instabilidade política e econômica, tento trazer a memória o que me traz esperança, como diria o profeta Jeremias em Lamentações 3.21. Por isso, surge o pensamento do que me faz lembrar esperança, e logo lembro da felicidade. Palavra que por si só já expressa seu significado. Mas é interessante notar a felicidade no ponto em que ela nos torna pessoas menos amarguradas, preocupadas.

É difícil falar sobre a felicidade quando ao nosso redor tudo parece estar escuro, sem uma esperança de um futuro melhor. Não há receita e nem mesmo um significado exato para tal estado de espírito. Mas ainda há de se acreditar que a felicidade não é um sonho, ela pode ser real.

A busca incessante pela felicidade, muitas vezes termina em desgosto pela própria vida, uma vez que a verdadeira felicidade não se encontra em prazeres momentâneos que o mundo nos oferece. A infelicidade está ligada a ideia de que é preciso ter prazer, abundância, riquezas, para que assim se tenha um sentimento bom, de se sentir feliz. A um tempo atrás, uma campanha de publicidade mostrava que era possível “abrir a felicidade”.

Por mais que fosse uma propaganda de refrigerante, a ideia que eles passavam era de que a felicidade podia ser comprada, ou mesmo ser conquistada pelo simples fato de você estar consumindo tal produto. A ideia foi interessante, mas a questão em si não era bem essa, a felicidade é muito mais que isto. Diante disso, podemos pensar a respeito de nós. Quantas vezes nos flagramos pensando que estamos felizes, mas lá dentro de nós tudo está um caos.

Quantas vezes tentamos nos fazer felizes tentando ter e ser para que tal infelicidade seja preenchida por uma felicidade passageira em nossas vidas. “Abrir a felicidade” é apenas um momento de prazer. Segundo Aristóteles, a felicidade não depende de condições exteriores. Por isso, confundir prazer com felicidade é muito comum, mas pode trazer grande mal para nós mesmos.

A felicidade está nas pequenas atitudes que causam em nós até mesmo um certo estranhamento, pois nos sentimos em paz, leves. Mas acima de tudo, a felicidade está em Jesus Cristo, em que a felicidade de quem está unido a Ele é de viver com uma consciência limpa, sem julgamento, sem sobrecarga. A felicidade deve ser o alvo de todos os que servem a Deus, bem como almejar desenvolvê-la no caráter cristão para nossa própria felicidade, nesta vida e na vida celestial, quando estivermos com Deus.

Resumir a felicidade se torna fácil quando pensamos num dia chuvoso em que você tem um guarda-chuva para não se molhar. Quando a família se reúne no Natal e todos estão alegres (aliás, até as árvores exalam um cheiro que dá alegria hehe). Quando alguém passa em um concurso ou vestibular. Quando se começa a gostar de alguém. Tomar um chimarrão ou tererê. Ou comer bergamota “lagarteando” no sol quando é inverno (se você não for gaúcho, acho que você terá que usar o Google para entender J. E existem várias outras maneiras e formas simples de descrever a felicidade.

Mas vale lembrar que motivos para chorar não faltam neste mundo. Porém, o Espírito Santo é capaz de solucionar os problemas mais graves, e dessa forma produzir felicidade. E toda lágrima Ele transformará em alegria, bem como Jesus ensina que feliz são aqueles que choram, pois serão consolados.

O mesmo pode ser esclarecido com a história de Horatio Gates Spafford, autor do hino Sou feliz com Jesus. A letra da música impressiona ao saber que o escritor ao escrever a música passou por uma terrível tragédia em sua família. Suas quatro filhas morreram numa colisão com outro navio. Algumas semanas depois, Spafford foi reconhecer os corpos na Europa, e quando estava passando pelo local escreveu este hino. Em sua letra, ele diz que “se dor a mais forte sofre, oh, seja o que for, tu me fazes saber que feliz com Jesus sempre sou!”. Esta história mostra que embora aconteça uma tragédia em nossas vidas, ou mesmo quando estamos “infelizes”, devemos nos lembrar daquilo que nos traz a felicidade, que é Cristo Jesus.

Diante disso, cabe pensar na pergunta de Clarice Lispector, “Queria saber: depois que se é feliz o que acontece? O que vem depois?”. Bom, a resposta é pessoal e vale lembrar naquilo que te traz a memória a felicidade. “Abra a felicidade”, mas não para os prazeres momentâneos. Deixe-se ser feliz pelas pequenas e grandes coisas que acontecem ao seu redor. E mesmo se tudo der errado e ainda assim eu pensar que não sei ser feliz, que eu possa meditar nas palavras de Habacuque: “ainda assim eu exultarei no Senhor e me alegrarei no Deus da minha salvação” Habacuque 3:18.

Por: Eduardo Leimann Balaniuk | Ijuí-RS

(Visited 130 times, 1 visits today)
Posted in Eles falam.

Gostou do post? Deixe seu comentário :)